Considerações

Vivemos para quê?
Nascemos, aprendemos (ou devíamos aprender), crescemos, ficamos adultos, cheios de compromissos, estudo, namoros, casamento, filhos, trabalho sempre, muito trabalho. 
E um dia, nos vemos com mais de 60 anos e sabendo que, por mais que a expectativa de vida tenha aumentado, já rodamos mais da metade do caminho...
Não quero ficar pra semente, quero ficar velhinha só se for com qualidade de vida.
Minha mãe tem 86 anos e uma saúde boa, uma memória elefantíaca e sabe de tudo que se passa na vida de todos nós. Isso não implica que não tenha suas limitações, seus problemas, seus altos e baixos, pois é dada à depressão. 
                                  (Minha mãe, há uns 10 anos)
  Tudo que se diz da velhice e parece simples e romântico é com muita boa vontade. Como tudo na vida, tem os prós e os contras. Mais contras, não se diga que não. 
Estou falando de velhice mesmo, acima de 80 anos.
Tenho vizinhos de 70 e tantos anos, super na deles. Almoçam fora 2 vezes por semana, fazem caminhadas todas as manhãs, frequentam o melhor clube de BH, onde ela faz aulas de ginástica e ele joga sua bolinha. Ele é safenado ( o que me faz desacreditar em exercícios físicos), ela é diabética, com muitas restrições alimentares, que segue com rigor. Estão sempre alegres, rindo, de bem com a vida. Não têm grana de sobra, mas 3 filhas apaixonantes que só faltam adivinhar o que querem. E proporcionam a eles uma vida com muitos passeios, viagens, (inclusive ao exterior) e divertimento. Não tem tempo ruim pra eles. 
Do outro lado da rua, um casal muito mais jovem, mas já entrados em "entas" e que não sabem o que fazer da vida. Boa condição financeira, e nenhuma vontade para nada. Não saem, não recebem nem parentes, nunca estão satisfeitos, não riem com facilidade, não viajam enfim,deixam a vida simplesmente correr.
Porque a vida não passa mais, ela corre celeremente.
Sempre me perguntei qual o verdadeiro sentido da vida e me parece muito injusto que seja somente esta a vida que temos. 
Quanta gente não consegue fazer nada, por falta de condição e quanta gente nem sabe o que fazer com a vida boa que tem?
Se pararmos pra pensar porque existem as doenças, os doentes, pessoas que nascem e viverão com alguma ou muitas limitações, os cegos, os mutilados, os doentes mentais, as famílias desestruturadas, os filhos drogados, os assassinos, os estrupadores, os pedófilos, os psicopatas, os simplesmente maus, que nem sabem a que vieram, teremos alguma resposta?
Hoje estou down. Por isso o post. 
Não me levem a sério. Bom carnaval!

20 comentários:

SONINHA disse...

Lúcia, minha querida!
Vamos levantar esse astral!!! Como tu mesma disseste, o tempo passa rápido demais, não é mesmo?
Tua mamãe é uma gata! A minha está com 78, mas devido ao Parkinson, envelheceu muito nos últimos anos. E o humor não está dos melhores.
As tuas inquietações são minhas também. Mas não vamos querer entender tudo. Vamos simplesmente viver e tentar ser feliz, amiga!
Um ótimo feriadão!
Beijocas!!!!!!!

Luma Rosa disse...

O peso dos anos pode ser maior mais para uns do que para outros. Estou vendo uma certa relação do seu texto com o meu, pois nele eu questiono a amargura, a decepção pela vida.
A depressão é super normal na velhice, pois a falta de exercícios físicos, não deixa ativar substâncias necessárias no cérebro para se ter uma visão melhorada dessa condição. Por isso as drogas sintéticas é tão comum depois de uma certa idade.
Ah, adorei ver uma fotinha sua!! Adorei também ver a carinha da sua mamã!!
Bom fim de semana!! Beijus,

A VIDA É UM ETERNO APRENDIZADO disse...

Olá!
É um grande prazer conhecer seu blog e poder ler o que escreves.
Acredito que quando escrevemos com prazer conquistamos amigos e fiéis amantes das palavras. Sabemos o quanto é difícil levar a nossa voz, as nossas angustias os nossos sonhos às pessoas. Mas o mais importante é saber que você e eu gostamos daquilo que fazemos.E acreditamos que o mundo pode se tornar bem melhor através de nossos escritos.
Grande abraço
Se cuida

✿ chica disse...

Legal ver tua mãe, com 86 omo a minha.

Mas a minha está viva sem viver. E isso pra mim, não quero...
Peço pra ficar aqui enquanto tiver QUALIDADE, sem depender de ninguém, pois é dose ficar numa cama esperando por tuuuuudo. Credo!!!

Gostei da tua foto... beijos,lindo feriado e descanso...chica

Bombom disse...

Oi, Lúcia, todos nós temos dias assim, em que tudo parece cinzentão...deixa entrar o Sol, vais ver que tudo ficará mais claro!
Do "alto" dos meus 68, venho dizer-te o que aprendi com a vida, pois todo (ou quase todo) o ser Humano tem as mesmas interrogações.
- Todas as Religiões são válidas, "desde que sigas o teu coração", como disse o Dalai Lama.
- Nenhuma Religião tem a Verdade Exclusiva.
-Viemos ao mundo para aprender e nos aperfeiçoarmos (como na Parábola dos Talentos).Uns fazem render os "talentos" e acrescentam-lhes mais valias; outros gastam-nos mal ou perdem-nos pelo caminho.
- Cada um traz consigo uma determinada "carga" e tem de fazer o seu percurso, mesmo que o achemos desagradável...
- Devíamos aceitar a vida como ela é, com os seus altos e baixos, acreditando "que o diabo não está sempre atrás da porta".

Desejo que já estejas numa de ver a Luz ao fundo do túnel! Alto Astral! Feliz Carnaval! Bjs. Bombom

Luciana disse...

Menina, sua mãe aos 86 anos e de muito bem com a vida, isso é maravilhoso demais.
Realmente só temos essa vida, pelo menos como essa vida, talvez reencarnemos, não sei, mas aqui, agora, como nós mesmos, só essa grande chance e é triste ver quantas pessoas a desperdicam, e é o que mais tenho visto. Eu tento viver e viver bem cada dia, o máximo possível.
Se tá pra baixo hoje e reflexiva, foi proveitoso, escreveu um texto muito bom, amanhä vai estar mais animadinha. Eu sempre achei o carnaval meio pra baixo, no meu caso, pois era a cidade vazia, calor de matar, nada de interessante na tv, carnaval mesmo eu curto pela música, pelo visual, mas não me jogava na folia, ficava em casa esperando o ano comecar, kkkkk

Beijo e um ótimo feriado.

Lúcia Soares disse...

Luciana, nesta foto minha mãe tinha uns 70 e poucos anos, já tem um tempinho. Hoje ela está bem diferente, "murchou", está minguadinha, bem acabadinha mesmo. Mas é lindinha do mesmo jeito. Vou procurar uma foto bem recente e colocar aqui tb. Beijo!
(estou bem, só refletindo mesmo, sou muito de lua...rsrsr)

Clara disse...

Qdo nos damos conta da velhice, assustamos mesmo. Eu, com 46, já tive minhas crises, mas já passaram.
Hoje eu prefiro muito mais ser feliz, rir, fazer o que gosto, estar com quem me faz bem, comer o que tenho vontade, com moderação e não ficar pensando muito no amanhã. Viver hoje, amanhã eu nem sei se estarei aqui.
Dá um nó na cabeça da gente, mas é bom chegar à velhice e ver os frutos que deixamos, como nossos filhos, os netos...
Um dia não vamos mais estar aqui, então vamos viver da melhor forma possível. Talvez essas pessoas que estão sozinhas, rancorosas, não tenham distribuido amor suficiente pra hoje terem com quem compartilhar um bom dia. Lamento muito por eles e por todos.
Bom fim de semana, Lúcia!
Beijosss

Beth/Lilás disse...

Lúcia queridona!
Tua mãe é mesmo uma senhora enxutinha e você vai ficar igual, pois também é antenada, não deixa passar nada, como ela.
Suas considerações são bastante interessantes e pertinentes, no entanto, eu, que já te conheço nestes tantos anos de blogosfera, digo e repito que você mudou muito e considero até para melhor, deu grandes passos para vencer a timidez, viajou, se mostrou mais, tem acalentado vontades que antes pareciam amortecidas. E quer saber, acho tudo isso normal e super saudável para o ser humano.
A ideia da Luma sobre exercícios físicos é nota dez, pois eu descobri que no meu caso isso funciona muito mais para ajudar meu cérebro a não cair em depressão do que para emagrecer ou perder peso.
A gente libera endorfina quando faz ginástica e consegue encarar as tristezas da vida com muito mais facilidade. Portanto, sugiro urgente que procure uma academia e vá sem vergonha nenhuma, vai ver que tem um monte de mulher e homem da sua idade buscando as mesmas coisas.
E quando puder, se arruma toda e vai bater pernas, vai ver vitrine, passear, tomar um cafezinho à tarde com uma amiga ou sem nenhuma amiga, mas vá ver o dia, não se deixe arrastar pela depressão. Estamos vendo com o tempo, quantas pessoas se perderam com este mal.
E cadê a máscara? Tô esperando foto até terça de carnaval.
skindô skindô
beijocas cariocas

Deusa disse...

Lucia...você me deixou até sem palavras..até me perdi agora.Primeiro a gente e o que e,não adianta ficar mentindo a idade e se escondendo,o tempo passa pra todo mundo.Pra mim você esta maravilhosa,adoro gente que pensa sempre em ter qualidade de vida e de se arrumar não para os outros,mas pra se olhar no espelho e dizer...eu gosto desta pessoa que sou.Obviamente e dificil encarar as nossas rugas,defeitos,gordurinhas...mas não são só nossas...todo mundo tem estas marcas da idade...e simplesmente normal.Eu acho necessario a gente se aceitar,ate mesmo para aceitar os outros como são.Eu e meu marido Lucia não sabemos aproveitar a vida,temos o conforto que trabalhamos para ter(porque eu também trabalho e muito),mas somos os dois preocupados demais,com tudo,para nos dois o mundo não e um parque de diversões onde você pode simplesmente deixar as coisas pra lá...tanto que você deve estranhar não me conhecer ainda,eu não paro um minuto de trabalhar a mente em como resolver pequenos problemas tanto meus como da minha familia,coisas do dia a dia que pelo visto logo sua filha vai enfrentar.Não entendi bem,mas ela parece que vai se mudar daqui para outro Estado,não e?
Quando se tem filhos,marido,casa e tudo o mais a gente se cansa muito...fisica e mentalmente.Eu particularmente achava que quando nos mudassemos para São Paulo eu ia fazer tudo sozinha,arrumar minha casa e cuidar do marido e filha(olha que so tenho uma).Nunca fiquei sem empregada,ou sem minha mãe para me ajudar.Agora imagine o quanto me decepcionei.Primeiro o Paulista não e tão aberto quanto o Mineiro,depois eu tentei de todo jeito me acostumar a não ter minha mãe e irmãos ali do meu lado,eu comecei e consegui fazer todo o serviço da casa sozinha,levava minha filha para a escolinha e voltava correndo para arrumar as coisas.Dei conta,mas adoeci de tanto tentar ser perfeita.Eu arrumava dez,mas vinte coisas ja me esperavam para arrumar,minha filha pequena querendo...exigindo atenção,roupa para passar e lavar,tarefinhas da escola,almoço,jantar,lanche,visitas...até que um dia(espero que não aconteça com sua filha)eu me senti tão esgotada que resolvi dar o braço a torcer e arrumei uma empregada(carissimo por lá)e depois uma faxineira,diga a ela Lucia que em um primeiro momento isso vai dar trabalho,mas ela vai conseguir manter as coisas sob um certo controle,mas logo ela ira se cansar e os filhos estarão esperando por ela e o marido e a casa.....infelizmente e a verdade...a Amélia antiga hoje não existe mais,a Amelia moderna faz o que pode,até onde pode....ja não e obrigada a ser perfeita.Deus queira que ela já conheça logo uma pessoa boa para ajuda-la com a casa e os filhos,uma faxineira,algo assim,ou ela vai sentir um estresse tão imenso com tudo que pode até adoecer(como me aconteceu),e uma mudança muito radical,casa,escola para as crianças,cidade,trânsito,clima...tudo de uma vez....se fosse possivel você até ir com ela para ajuda-la...seria ótimo,pelo menos no inicio.
Bjs
Deusa
vasinhos coloridos

Cissa Branco disse...

Lúcia,

É aquele velho chavão, se a vida te dá um limão....
Creio que seja bem isso, mas nem todos conseguem, não precisa ser idoso para se deparar com situações inesperadas e alheias a vontade, porém muitos não estão preparados para acreditar no seu potencial. Eu mesma estou vivendo esta fase, nem entrei nos enta e já estou tendo que lidar com duas doenças crônicas que não irão me deixar, fico triste, entrego os pontos mas percebo que é necessário fazer a vida acontecer e para isso não adianta chorar as pitangas, tem que arregaçar as mangas e curtir cada momento.
Grandes beijos e excelente feriado para você

Georgia disse...

Lucia, minha semana foi muito agitada. A chegada da sobrinha pra cá, o Daniel doente e agora o maridex...

Menina, que mae bonita que vc tem. LInda, linda.

Benza Deus e que dê a ela muitos anos de vida e com saúde. Tb acho que envelhecer sem qualidade é melhor partir...

Eu acho que a gente passa uma boa fase das nossas vidas exigindo demais, qdo chegamos à 3° idade, comecamos a ver que nao vale tanto a pena se estressar e exigir tanto, por isso eles vivem mais relax.

Grande beijo

Pandora disse...

Engraçado, ontem a noite tive uma conversa com meu irmão (23 anos) muito semelhante a esse post... Sua mãe é linda Lúcia e envelheceu bem, todos que sabemos desde cedo que a vida é breve desejamos isso!

E no mais a consciência de nossa finitude, o muito pensar, nos leva a valorizar certas coisas que quem não curte o exercício acaba se esquecendo.

Mas confesso que imaginar pessoas desperdiçando suas vidas sempre me parece triste!

Celia disse...

Que bonitinha sua mae. Realmente os anos passam rapidamentes e nós temos que aproveita-los da melhor maneira possivel, todos os momentos. Procurar sempre pensar positivo, ver alegria e felicidade nas pequenas coisas. Acho que vivendo assim, poderemos ter uma velhice mais tranquila. Nao sei se estou certa mas, a probabilidade acho que é maior sim.
Uma boa semana. Bj

Patricia Daltro disse...

Acho eu que dias assim, meio cinzas, servem para que quando os coloridos apareçam, suas cores vibrem mais!
Ah, meu desejo é chegar aos 80 com o mesmo pique dos seus primeiros vizinhos!

ML disse...

Querida: você sente pensando ou pensa sentindo?
Venho aqui e sempre me surpreendo com a profundidade da sua sensibilidade.
Tá mal, Lúcia? Ainda bem, melhor do que ser insensível.
Li uma frase muito legal (na época da formatura, inclui no book) que diz mais ou menos o seguinte: "quem fala de felicidade o tempo inteiro, tem os olhos tristes" - Louis Aragon

bjnhs

ML disse...

Esqueci de dizer: sua mãe é linda! Só mesmo os assumidos cabelos brancos - eu, tenho coragem não - "entregam" os 70.

bjnhs pra vcs

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

tá certo, Lucia. é bom usar o blog para desabafar, falar o que pensa também dos assuntos mais chatos ou espinhosos. A vida não é só flores né, tem os espinhos... já diz a frase batida.

conheço mta gente morta em vida, essa que é a verdade. e mtas vezes bem jovem.

bom dia pra vc!

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

ah, sua mãe é uma senhora mto bonita, tem um porte elegante.

Brechique da Dodoca disse...

Oi, Lucia, viajei para o carnaval - de onde estava até acessei a net para "ver" das coisas, mas só retomei ontem, com a chegada em casa.
Daí que estou lendo seus posts hoje.
Como disse o meu marido há uns anos atrás, na vida não tem festa todo dia! Portanto todos nós temos os nossos dias down mesmo e por que não? Penso que nos ajudam bastante, pois nos fazem refletir e dar um freio. O que não devemos é alimentá-los sem motivo: crescem e viram monstros!
Ninguém quer ter uma vida longa sem qualidade, claro que não! Mas o que sabemos nós? O que é a nossa vontade frente a tudo que desconhecemos?
Creio que a melhor opção, para quem está madurando, madurando, é deixar acontecer. Se ficarmos dependentes, deve ter um bom motivo para nós ou para quem for nos cuidar. Que sejamos acolhidos, se assim for o nosso destino.
Bjsssssssssss, quérida, saudades!