Comemorar o quê mesmo?!

Nem ia escrever sobre o Dia Internacional da Mulher, pois não me pego em datas estabelecidas. O único dia de comemorar, para mim, é o do aniversário de nascimento. Para quem nasceu num 8 de março, o dia é de parabéns mesmo. Como a Georgia e tantos outros pelo mundo afora.
Comemorar um dia especial para as mulheres é de rir, ou de chorar. Mulher tem que ser homenageada todos os dias, assim como os homens. Gente que trabalha, que produz, que faz, que mostra o valor da vida, labuta todos os dias e todos os dias deviam ter flores e chocolates em casa, ou uma geladinha pra eles.
A mulher ganhou o quê mesmo? O direito de voto, o direito de cursar uma faculdade, o direito de trabalhar no que quiser ou souber, era questão de tempo apenas. Todo mundo tem seu lugar ao sol, este nasceu para todos, não há dúvida.
Nasceu pra D. Maria, que mora ainda numa choupana, sem água corrente, sem luz elétrica, sem chão sequer calçado, sem dente na boca, mas um batom vermelhinho, um brinco de bijou baratinha, um esmalte nas unhas, uma presilha nos cabelos. Ela só não saiu à luta, mas o sol nasce todos os dias pra ela também.
 Hoje ela vai comemorar o que, especialmente?!
Parabéns para as mulheres que quiseram tanto se igualar aos homens e hoje disputam com eles o mercado de trabalho, competentes, heróicas, matando um leão por dia para ter sob controle um emprego, uma casa, um ou mais filhos, e ainda se sentir bela e poderosa? Então, tá, parabéns!
Parabéns para você, mulher e dona de casa que sai de sua casa e entra na casa da patroa pra cuidar do lar dela e dos filhos dela (a patroa), enquanto sabe-se lá quem cuida dos seus. Isso é independência, é ter seu dinheiro no bolso pra nenhum macho achar que manda em você. Mas quantas de vocês saem pra trabalhar, deixando um macho em casa, muitas vezes não o pai de suas filhas, leva dinheiro pra ele sair à procura de outras mulheres, bebidas e ainda abusam de suas filhas enquanto você trabalha. Parabéns?
Parabéns, sim, a todas as mulheres e homens que lutam por uma vida digna, a batalha é diária e não adianta levantar bandeira, tem é que ir à luta mesmo, mostrando serviço, se sacrificando, mas cumprindo seu papel na sociedade, de garantir seu sustento dignamente.
Valeu o dia, agora acho que é preciso mesmo ter uma data, justamente para levantar essas questões todas, mas não me venham dizer que a mulher conquistou tudo o que quer.
Ainda há as que conquistam, apenas. Com seu corpo, com sua inescrupulosidade, deliberadamente bonequinhas de luxo, pois bom mesmo é ser teúda e manteúda.
Será que eu queria ver minhas filhas sendo simplesmente sustentadas por seus maridos, meu filho sustentando minha nora, elas vivendo como sinhazinhas, cercadas de mucamas, serviçais por todos os lados, filhos criados com amas-de-leite, mercadores à porta trazendo tecidos para serem costurados, bordados finos sendo feitos por elas (as filhas e nora), passeios bucólicos, amantes escancaradas dos maridos circulando pelos mesmos salões? Acho que não. Isso não era vida para as mulheres, realmente.
Quero, sim, ver minhas filhas produtivas, criando seus filhos, cuidando de suas casas, trabalhando para ajudar no sustento da casa. 
Num reino mágico onde as casas são autolimpantes, a comida aparece sozinha no fogão, as roupas não precisam ser lavadas nem passadas.
E todas vivem felizes.

18 comentários:

Anônimo disse...

Há há há! Adorei! Fá

Bombom disse...

APOIADO!!!
Era assim que eu gostava de ter escrito, mas não tenho jeito (he,he).
Essa tal de "emancipação" da mulher que surgiu como se fosse a libertação da escravatura, viria mais tarde a revelar-se uma autêntica escravização para tantas de nós, obrigadas a protagonizar diversos papéis que nos absorvem o tempo e a disposição e nos afastam de tal modo do que gostaríamos de fazer, que nos tornam impacientes, depressivas, antipáticas...
E mais não digo. Boa reflexão!
Adorei. Bjs. Bombom

Ariadne disse...

Magnifico texto !!
Vc como sempre, perfeita nas palavras.

Bjks e viva nós, todos os dias.

Brechique da Dodoca disse...

Como se dizia "na minha época": concordo em gênero, número e grau!
Muito bom, muito bom mesmo! E ainda dava mais pano pra manga, né não? rssss
Isto é questão pra mais de metro!
Bjsssssssssssss, quérida!

Rosamaria disse...

Guria, tu és a tal! Adoro o que escreves! É isso aí!
Bjim

Valéria disse...

Oi Lucia!
Deixando as questões sócio-políticas de lado, somos mesmo especiais e devemos nos dar o valor, cada uma a sua maneira.rss
Beijinhos menina e um belo dia da mulher!

✿ chica disse...

Lindo e perfeito teu texto...um beijo e mesmo que seja apenas convenção, felicidades MULHER!!! rs beijos,chica

Duh Franzen disse...

Oi Lúcia
Concordo e assino embaixo.

1000 Bjinhos

Misturação - Ana Karla disse...

Estou aplaudindo de pé.
Bravo, bravíssimo!
E olha que eu sou mulher nova de 40 anos e que estou rodeada de pessoas me cobrando um trabalho intenso e estressante além de um trânsito infernal para chegar na labuta.
Por isso trabalho um expediente e vivemos numericamente racionando.
E somos felizes assim.

Adoooooreiiiiiii Lúcia.

Minha sincera admiração a você.

Xeros

She disse...

Interessante o seu texto, minha querida, mas como tudo na vida tem o seu lado positivo, o negativo e o que ainda para melhorar! ;) Acho que um carinho hj não faz mal não, se bem não fizer, com certeza mal não faz, mas tem que ser a TODAS AS MULHERES! Gostei! ;)
Beijo, beijo e feliz Dia!
She

Heloísa disse...

Lúcia,
O dia 8 de março foi escolhido como o Dia Internacional da Mulher como homenagem às operárias texteis assassinadas porque reinvidicavam melhores condições de trabalho.
É uma data para reflexão, comemoração do que já foi conseguido, e debate para diminuir as diferenças ainda existentes, bem como novas conquistas.
Acho que sem pressão, muito do que foi conseguido não teria vindo.
Mas concordo com você no sentido de que não é um dia para festejar só a mulher, criando discriminações em relação aos homens.
Vamos festejar o que é bom, e lutar pelo que deve melhorar.
Beijo.

Cissa Branco disse...

Bravo!!!!
Lúcia, o pior disso tudo é que se formos analisar bem a história, a mulher não conquistou, mas sim o mercado cedeu, era necessário, um preço a pagar para manter a máquina funcionando. Hoje estamos no mercado de trabalho ainda, vítimas de assédio moral diário, e nem percebemos, temos o direito de trabalhar, desde que aceitamos a dupla, tripla jornada de trabalho e além disso, temos que nos manter belas e felizes, porque, segundo padrões, a mulher de verdade é aquele que faz tudo isso e ainda se supera, a mulher maravilha. Se há motivo de comemorarmos e por estarmos percebendo que é hora de mudar todo esse processo.
Grandes beijos e, porque não, Feliz Dia das Poderosas, que além de tudo o que fazem, ainda se preocupam em melhorar suas vidas e conscientizar as demais. Beijão!!!

ML disse...

Falou e disse MUITO bem, Lucinha: reflitemos!

Eu tô me "coçando" entre fazer ou não fazer um "post" sobre o "DIM" ; > )
Sinceramente, acho descabido que alguém ocidental e esclarecida se "elocuplete" pelo "dia".
Post antipático ou eu estou "incomodada"?
Como diz meu sobrinho "baby" vou me "colocar pra pensar" : > )

bjnhsssssssssssssssss

Somnia Carvalho disse...

oi Lucinha!

aqui no elevador do meu predio colocaram uma homenagem que me da vergonha... como a Heloisa falou ai em cima o 8 de maio no seu inicio era uma data marcante... o que envergonha é que o relembrar um momento de luta vire essa falação cheia de nhenhenhem, que mulher luta, é amante, é sofredora, é bla bla bla...

sim, há muito a conquistar não é? concordo com voce.
concordo com heloisa tambem que e preciso saber comemorar o que se conquistou. Não ter que se casar com o homem arranjado pelo pai, nao ter que sair da casa dos pais direto pra casa do marido, nao ter que ter 15 filhos porque esse era o nosso unico proposito... coisas assim...

por outro lado, eu pessoalmente não gosto da cara que se toma neste dia... nao gosto de receber florzinha, nem parabens, porque meo eu sou mulher todos os dias da minha vida! e ja me orgulho disso e todo mundo ao meu redor deveria se orgulhar por eu ser a pessoa quem sou... independente de eu ser do sexo feminino ou nao.

beijocas! valeu pela reflexão!

VIVIAN!!! disse...

Bom eu comemoro a minha liberdade , independência, e competência...o meus valores, graças a Deus podemos ser independentes "se quisermos" pq depender de pessoas para sempre, não obrigada !!!! Sou guerrerira, forte e vencedora, dona do meu nariz, respondo pelo meus atos, !!!! Tenha um lindo fim de semana!!! bjao!!!

Nina disse...

Quando?? to aqui :-)
eu tenho clicado de vez em qd no teu perfil, pra ver se ja tinha aberto o novo blog. Agora sim, tá valendo :-)

Belas palavras Lucia. Pra mim nao tem absolutamente nada pra parabenizar ou comemorar. O ser mulher em si, é incrivelmente maravilhoso, mas o que fizeram da gente, nossa... enquanto houver mulher apanhando de homem e sendo mal tratada e até morta por ele, pra mim, continuamos na idade da pedra, sem chance de comemorar algo. Infelizmente.

Dói na alma saber que existem mulheres que vao trabalhar e deixam suas filhos a mercê de um crápula :-(

Georgia disse...

Apoiadíssima, Lucia. Tb vejo da mesma forma.

Acabei de vir do blog da Roseli e ela tb escreveu um texto muito bom sobre o assunto.
Deixo aqui o link caso vc queira lê-lo. Roseli é um doce de pessoa.

http://sonhosmelodias.blogspot.com/2012/03/condicao-mulher.html

Lúcia, ainda há muito o que mudar.

Em muitos países a mulher ainda sofre demais nas maos dos homens.

Nao sei se temos mesmo o quê comemorarmos neste dia...me dói muito a situacao dessas mulheres.

Um grande beijo

Roseli disse...

Oi Lucia! Vim aqui conhecer esse espaço que ainda não conhecia. Então eu já tinha passado no seu outro blog? Caramba! São tantos que a gente passa que muitas vezes acaba se esquecendo. Mas nesse estarei sempre por aqui. Gosto do seu jeito de escrever. Quanto ao dia da mulher...bem, você já leu minha opinião.
Bjs