Coisas de mãe

 (Foto "de despedida", já prontinhos pra ir pra escola. À tarde, quando voltaram, já tinha viajado de volta. Henrique, Estevão e Fabrício).
Mãe é mãe. Pode ser a mais doce ou a mais chata das criaturas.
Certamente sou do segundo time. Sou mãe 24 horas por dia, não sei ser boazinha (até tento), nem fazer vista grossa.
Tive uma mãe (ainda a tenho, mas já se aposentou do cargo, agora somos nós, os filhos, um pouco pai e mãe) sempre alerta, sempre presente, brava, prendada, disposta a tudo, mas sem nunca nos passar a mão na cabeça se não o merecéssemos. Aprendi com ela, sei que sou rígida, mas só sei ser assim. Mesmo agora, com os filhos adultos e donos de suas vidas, exerço meu "pátrio poder" e eles sabem que podem contar comigo, mas não para o que não for "nos conformes".
Chega um tempo na vida que queremos, precisamos e devemos ter paz de espírito. Mas mãe só é feliz se os filhos o forem, só vejo assim.
E pra mim, viver longe de filho é um "castigo" para o qual me pergunto todos os dias porque o mereci...rsrrs
Quero ser dramática e exagerada, como boa mama italiana ou a mãe grega, ou ainda a mãe judia, que são os parâmetros para mulheres exageradas e seus filhos amados e eternas crianças (aos olhos da mãe).
Nunca fui de paparicos, tipo café na cama, mas sempre fui disponível. Um "mãe, traz água pra mim", depois de se deitarem, era o máximo de concessão que fazia para atendê-los, pois o resto do tempo era tudo no relojinho, cada coisa em sua hora.
Mas foram crianças felizes, absolutamente conscientes do amor que eu e o pai devotávamos a elas.
Se tiveram algum trauma, já nos contaram, já se queixaram,já resolvemos (ou não?!),já entenderam nosso jeito de ser.
Uma época que a "do meio" reclamava muito de ter se sentido discriminada (é a velha síndrome, inventada por quem? E eu, que sou a 3ª filha, e depois de mim vieram mais...7?  rsrs), cortei-a no ato: "Estamos aqui, eu e seu pai, fale tudo, reclame de tudo, aproveita pra desabafar" e pude rebater com ela as queixas, negar o que ela exagerava, fazê-la enxergar com outros olhos o que ela pensava ser "marcação" ou coisa que o valha.
Por isso, hoje, com eles donos de suas casas e suas famílias, pouco me resta da mãe chata e exigente, pois se assim continuo, perco-os sumariamente. Ninguém merece uma mãe/sogra que fique entrando na vida dos filhos. Continuo a mesma mãe, eles sabem bem, mas fico de coadjuvante, não mais poso de atriz principal.
  (Com Fabrício, sob a bandeira de MG, Esplanada dos Ministérios, emocionante estar ali!)
Filha mais velha (como diz a Taia) mudou-se de cidade, com 3 meninos e marido-que-fica-o-dia-todo-fora-de-casa-pois-é-o-provedor. E quer bancar a mulher-maravilha e dar conta de cuidar de casa, roupas, 3 crianças entre 5 e 3 anos, faxina, almoço, lazer com as crianças, levá-los à escola, fazer compras, ser linda, depilada, unhas feitas, cabelos impecáveis (ainda bem que puxou ao pai, cabelo lava-e-seca-sozinho é tudo de bom! rs). Fui com ela pra primeira semana de adaptação e uma hora em que os meninos "pegavam fogo", ela me falou: "Mãe, você não está aqui pra me ajudar?!" e eu: "Não! Vim pra assistir de camarote!" rsrs Não sou fácil, bem sei!
Sei também que se ela vivesse na Europa ou nos EUA, não poderia contar com ajuda de terceiros, mas já que aqui ela pode, tem que ser assim. "Lá fora" as mulheres têm casas que permanecem fechadas o dia todo, têm toda uma aparelhagem pra ajudar, supermercados que já vendem tudo picado, cozido, assado,enfim, muita coisa que facilita a vida. Aqui temos essa cultura de varrer, tirar o pó, passar pano úmido, todos os dias, fazer almoço e servir o jantar, lanche da tarde, mesa posta pra todas as refeições, um sem fim de regras a cumprir, senão não somos boas donas de casa.
Por isso voltei da casa dela meio perdida, tendo que conter minha ansiedade e entender que a vida é deles, que darão conta, que sabem o que fazem, que foram muito bem criados e saberão conduzir bem os filhos. Engraçado que a mudança de cidade os deixou mais perto de nós, agora menos km nos separam, menos horas de estrada ou de voo, mas ainda assim a distância me pesa.
 (Minha amada primogênita, Fabiana)
A vida é essa, cada um segue seu rumo. Mas não é fácil.
Só o que desejo é que sejam muito felizes e abençoados por Deus, como sempre.

(Ao ver a foto dos primos, de uniforme, Letícia ficou chateada de não estar nela...rsrsr Tive que correr pra tirar foto com ela). 

22 comentários:

Renata disse...

Também sou assim, mãe super mãe, mas sou brava, e como diz meu filho: a mãe hoje tá doidona, não mexe com ela não...rsss...faço tudo, deixei-os ir pelo mundo, mas monitoro cada passo, não por desconfiança, mas é o que eu digo: filho eu só tive dois, e não é qualquer maluco que vai passar a mão e sair levando não, nem que esse "maluco" seja o próprio destino...quero, enquanto posso lógico, meus filhos perto de mim, mesmo estando longe...perto do meu coração...pois filho pra mim é tudo, aliás, muito mais que tudo...

Desculpe, me emocionei e me deixei levar...
Suas filhas são lindas, parabéns pela mãe que você é!

Um abraço,

✿ chica disse...

Saber olhar de perto,mantendo a distância necessária pra que eles se movimentem... Isso é bem assim! Lindas fotos! beijos,chica

Pandora disse...

As vezes as pessoas brincam de prever que tipo de mãe serei, todo mundo diz que vou ser um tipo chata e exigente!!! Kkkkk... Eu desconfio que as mães exigentes são as boas, minha mãe sempre exigiu de mim bons resultados na escola e compromisso e tudo o mais e isto deu certo... Cumplicidade também é bom, eu confio nela demais, somos cúmplices... E sua crônica de mãe de filha adulta, avó lúcida ficou assim, inspiradora!!!

Deusa disse...

Eu senti isso na pele quando me mudei de perto da minha mãe...nunca pensei em sair de perto dela,moravamos a duas quadras uma da outra.Ela trabalhava pertinho do meu predio,então tinha que passar por mim todo dia.Eu esperava ela na porta de manhã e a tarde quando ela saia do trabalho eu já esperava com o almoço pronto,como ela não gostava de ficar almoçando la em casa(porque achava chato,dizia que marido não gostam,o meu adora minha mãe)então eu ia mais cedo na casa dela e fazia o almoço.Minha mãe sempre foi assim também...firme,meio destemperada...mas nunca me deixou na mão,nunca ficamos uma sem a outra.Quando me mudei quis isso mesmo...dar conta de tudo...pra que? Quase me matei e cansei e nada....e olha que so tenho uma filha.Mas aguentei três anos de EUPOSSOTUDO,por varios motivos eu quis mesmo dar conta,mas estava sempre correndo,roupa pra lavar e passar,criança precisando de atenção,almoço,jantar,escola,tarefa,casa,marido....credo....
Mãe Lucia e aquela que quer ver o filhos felizes,da um suporte,ensina e ajuda a caminhar,esta ali quando mais precisamos,nos orienta,acode,sacode quando necessario,vive a vida dela junto a dos filhos,mas sabendo que existe um limite de interferência,que ela e ganhou uma filha e não que perdeu um filho.Quando chega e uma festa,so de estar ali ja agrada,tranquiliza...quando vai embora e um sofrimento,faz falta....
Imagine você chegando na casa da sua filha e mudando tudo de lugar,reclamando de tudo,colocando seus horarios e jogando todo o seu peso em cima da da sua filha e seu genro,fazendo caras e bocas,impondo e querendo atenção o tempo todo exclusivamente,chegasse na sua filha e não ajudasse em nada,só sentadinha lá esperando sua filha ir te divertir,te levar para passear,se algo não fosse do seu agrado,se trancasse no quarto causando um clima desagradavel,e sua filha ficasse tendo que se desculpar o tempo todo com o marido dela.Eu te garanto ai sim,você seria um fardo pesado,mas do jeito que você faz...com certeza seus filhos,genros e noras,contam os dias para que você chegue.
Bjs
Deusa

Liza Souza disse...

Lu, como eu amo ler voce! Voce me faz rir, me faz pensar, me faz chorar com um post só. Agora me fala, que história é essa de estar no time das criaturas mais chatas? Eu nao acredito mesmo! Voce é uma mae maravilhosa, sábia, especial. Dá pra ver isso na felicidade estampada no rosto e no sucesso dos seus filhos. Olha, eu imagino que a vida da Fabiana nao seja fácil, mas como voce disse, ela vai dar conta de tudo. E que lindeza de netos, hein!Vontade morder todo mundo. Ah, a foto da Lelê me fez lembrar dela e do Miguel brincando de tubarao. rs
Beijos

Irene Alves disse...

Minha amiga gostei muito de ler
este seu post e ver as fotografias.
Eu não fui mãe, mas tive muitos
filhos de coração e sinto exactamente
o que a amiga diz. Agora estou
sofrendo porque os dois mais novos
foram para a Irlanda, não sei se
provisoriamente se definitivamente...
É tudo como a amiga diz.
Um grande beijinho
Irene Alves

She disse...

Oi minha querida, ah amei o post, tão sincero e tão cheio de amor! ;)
Beijo, beijo!
She

Lu Souza Brito disse...

Oi Lucia,

Eu li ontem e so hoje voltei para comentar.
Você bem poderia ser minha mãe, ahahha. Super mãe, brava, mas que ninguém jamais duvide que tudo é pelo amor que sente e para protegê-los. Meu sonho hoje é ter minha mãe morando mais perto de mim.
Está lindo seu post, seus netos são uns fofos. E se eu fosse a Leticia também ficaria chateada de não aparecer, ahahahaha.
Fiquei emocionada com o post, você cm certeza escreveu muitas verdades que as maes pensam, sentem, mas nem sempre exterioriza.
Bjos

Brechique da Dodoca disse...

Muito bonita a sua postagem, parece conversa de amiga sentada no sofá, olho no olho. Um papo sincero e gostoso, muito bom!
As apreensões maternas fazem parte do show, né? Só entendemos isto de fato quando mães nos tornamos, mas, são as escolhas!
Sua primogênita é parecidíssima com vc! E seus netos, que lindos! Aliás vovó, filhinha e netinhos são explêndidos!
Bjssssss, quérida, Deus os abençoa!

Clara disse...

Lúcia, eu dei uma olhada no post antes desse e vi.... vc tem o segundo dedo maior que o dedão!!!! rsrsrsrsrs
Seria por isso que é mandona???? hahahahahah Isso é lenda, eu sei!

Me sinto como vc, mas sou tão bem humorada, tão moleca, que as regras aqui são sem traumas. Todos tiram sarro um da cara do outro, mas EU mando aqui!!!!

Já disse isso à minha filha, que vou ficar assistindo de camarote qdo ela tiver casa e filhos pra cuidar.... ela começa a rir, claro!

Uma ótima semana pra vc!
Beijossss

Élys disse...

Mãe é mãe e cada uma com sua forma de proceder, mas sempre amando
Um abraço.

Valéria disse...

Oiiii Lúcia!
Que bela surpresa! Estou muito desatualizada não? Ainda não conhecia seu novo blog, vi no face quando vc mencionou o link. Que bom voltar a ler seus textos! Me pareço muito com vc, não sou de paparicos, mas estou sempre ali para o que der e vier.
Beijão e seja bem vinda!

Heloísa disse...

Lúcia,
As mães antigas eram assim mesmo como você descreveu. Bravas, rígidas, e é claro que pegamos muito disso.
Até com os netos somos meio repressoras.
Mas como os amamos!

Que delícia você em Brasília. A cidade é linda, e completamente diferente de tudo.
Agora com a filha mais perto, você vai poder matar mais as saudades.

As crianças estão lindas de uniforme, e a Letícia fez bem em querer aparecer. Está uma gracinha.

E a Fabiana está sendo muito corajosa, pretendendo fazer todo o serviço e ainda cuidando de três crianças, sem nenhuma ajuda por perto. Mulher maravilha!

Beijo.

Beth/Lilás disse...

Oi, amiga!
Realmente tua filhota teve a quem puxar - uma mãezona em todos os sentidos.
Digo sempre isso pro meu filho, ou seja, 'não quero ser sua amiguinha, isso você tem aos montes'. A gente tem que ser mãe, carinhosa e firme ao mesmo tempo.
Adorei ver esta família fofa reunida.
beijinhos cariocas, muitos.

Teresinha Ferreira disse...

Hoje eu sou super mãe e super avó.
Adorei seu post.
No dia 09 vou citar seu blog na minha postagem.
Tudo de bom.
www.democratizacaodamoda.blogspot.com

Turquezza disse...

Nossa! Achei a sua história "a minha cara" rsrs
Hoje também sou coadjuvante.
Eles sabem se cuidar e vão aprendendo cada vez mais com a idade passando e as experiências da vida.
Tenho um filho, que mora na Austrália e ele tem uma filha Leticia, de 1 ano.
Fui lá em Janeiro e fiquei ajudando e não atrapalhando. Foi tudo maravilhoso, nos divertimos muito juntos.
Mas quando ele e nora moravam aqui no Brasil, não ficávamos um atrapalhando o outro. Vivíamos em plena harmonia, eu sou meio austera também, mas dava tudo certo.

Linda família a sua. Belas fotos.
Se quiser me visitar clique no golfinho e venha tomar um café, ok?
Beijos.

Duh Franzen disse...

Lúcia
Pode acreditar: As mães chatas são as melhores mães do mundo...rsrs falo isso porque tbm sou extremamente chata, mas acredito que no fundo somos todas iguais,docinhas por natureza!
Bjinhos

ML disse...

Lucia: escritora de contos da vida real (crônicas, né?). Como a Marta Medeiros, já pensou nisso, colega dela?
Você sabe como abrir o coração inteligentemente.
Se tivesse o seu talento, pensaria seriamente em escrever um livro ("yes, you can"!).
O cabelo da sua filha é igual ao do pai? Ok, mas ela é a cara da mãe e a filhinha é a cara da "vó". Belíssimas mulheres.
E educar é autenticidade: a gente tem de ser quem se é. Minha mãe sempre foi muito "brava" - ela acha que não, he, he, he - eu, só tive filha canina, e nunca tive moral, e faço a maior questão de não ter, nem com ela, nem com meus sobrinhos humanos (o que não quer dizer não estar de olho, não tomar cuidado por eles, etc.). Mas impor respeito, não é pra mim - fazer o quê? ; > )

bjnhs
bjnhs e muitas felicidades pra você e sua família.

Georgia disse...

Lúcia, vc é mesmo maezona dá prá ver nas fotos e como avó deve ser Super avó.

Tb levo água na cama dos filhos e se eles acordam de madrugada com fome ou querendo beber um chá eu levanto, seja a hora que for e o frio que tiver fazendo eu levanto e faco com o maior Amor.

Adorei ver tuas fotos. Tua filha é a tua cópia, já falei isso uma vez né?

Bjao

Anônimo disse...

Uai, só agora vi... não apareceu este post quando li o do dia da mulher... Mãe, quando vc falou aquilo queria ter o poder de te teletransportar pra BH, sério. Achei um absurdo, mas concordo agora, não consigo dar conta de tudo e nem quero, mas era minha adaptação e meu momento. Agora as coisas estão se ajeitando, longe de estarem perfeitas, cada dia é um novo dia, mas sinto falta de sua presença, mesmo falando coisas que irritam... he he he
Obrigada por ter vindo e troca minha foto aí, tá horrível... Beijos. Ama.

ELIANA-Coisas Boas da Vida disse...

SER UMA MÃEZONA É MARAVILHOSO ,TBM SOU UMA MÃE BRAVA E NÃO ME ARREPENDO NEM UM POUCO ,AGORA VOU SER AVÓ E ACHO QUE VOU SER A MESMA SEMPRE!!
PARABÉNS SEUS NETINHOS SÃO MUITO FOFOS!

ELIANA-Coisas Boas da Vida disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.