Vovozar/O prazer de ser avó

    (Este post faz parte da blogagem coletiva da Norma, em comemoração aos 4 anos do seu blog. Visitem o blog, vão gostar.)                       
 
 Não conheci minha avó paterna.
Conheci e me lembro bem pouco da minha avó materna, que morreu quando eu tinha uns 14 anos de idade.
Mas me gabo de ter sido sua primeira neta preferida. rs Assim: éramos muitos netos, havia ano de nascer 4 netos de uma vez, mas eu era o xodó dela, que morou por alguns anos em nossa casa, quando éramos bem pequenos, eu e mais 4 irmãos.  Só sei que foi assim por causa do que me contavam, minha mãe e tias. Depois, a filha mais nova dela se casou e ela foi morar em outro Estado, com essa filha, que teve 5 filhos, os quais ela ajudou a criar. Então, penso que um desses também pode ter sido xodó dela. Mas fui o primeiro xodó. rs 
Conto isso brincando, porque como agora sou avó de 5 netos, sei que não se tem xodó especial com nenhum.

Eu não tenho, sinceramente. Acho que, no fundo, eles é que nos escolhem e a gente se aproxima mais de um que de outro. Moro perto de apenas 1 neta, a única menina, mas digo, com absoluta tranquilidade que ela não é preferida, em detrimento dos outros. Mas é meu xodó, sim, junto com os outros 4...
Li não sei onde e nem guardei quem falou: "Os netos são a sobremesa da vida."


 São, sim. E, junto, são aquela famosa cereja do bolo. 
Ser avó me fez melhor, com certeza. Com eles exercito a paciência e coloco pra fora todo o carinho de que sou capaz, e que normalmente não demonstro.
Somos uma família de pessoas arredias a abraços, beijos e "te amo" (depois de adultos) coisa que vem lá de longe, alguns irmãos aprenderam, outros, como eu, são mais resistentes. Não que não saibamos demonstrar nosso amor uns pelos outros, mas somos econômicos no ato.
Com meus netos deixo tudo aflorar e quase os sufoco com os carinhos, os mimos, os conselhos, as leituras, os abraços, os beijos.
"Uma hora com os netos pode fazer uma avó sentir-se jovem outra vez. Mais tempo que isso, fá-la sentir-se velha rapidamente." (Gene Perret).
Concordo muito. Acho que avós são para curtir os netos, para exercitar nosso melhor lado, mas não gosto da ideia de que os avós têm que cuidar diariamente deles. Embora seja a minha realidade. Minha filha sabe que o faço porque ela precisa dessa ajuda, mas sinto-me tolhida, é  minha hora, já criei os meus filhos, agora quero a parte só dos prazeres. Amo minha neta, os momentos com ela são ricos, mas preferia (e ela também) que estivesse com a mãe. 
"Os netos não se mantêm jovens para sempre, o que é bom, porque os avós têm um limite de forças." (Gene Perret).
E, o melhor: "Nunca entenderás realmente uma coisa até que consigas explicá-lo à tua avó." (Provérbio galês).
Os netos são a paixão da minha vida, atualmente.
Espero que tenham melhores lembranças de mim do que tenho da minha avó (a que conheci).
Sou uma avó até certo ponto moderna (sou antiga nos costumes, acho que em matéria de educar, o "antigamente" é a melhor maneira), mas não sou aquela típica avozinha que faz um casaco de tricô para o neto, ou um delicioso bolo, nem vou pra cozinha fazer a comidinha preferida, não o tempo todo.
Meus agrados são para deixá-los à vontade, priorizo o bem  estar deles, sempre. 
Saber que um neto é a sua continuação, saber que aquele serzinho é um pedaço seu, é comovente.
Quando visito meus 3 netos, da filha mais velha, que mora em outro Estado, o primogênito dela (6 anos) dorme comigo (sai da sua cama, para dormir comigo). E são abraços, beijos, corpinho encostado ao meu, (mesmo no calor!) e um "Ah, vovó, é porque eu gosto do seu cheirinho!"  me fazem pensar no quanto sou privilegiada.
Ser avó, em certo sentido, é melhor do que ser mãe. 
Por isso é tão importante que a avó seja apenas a avó. A que mima. A que adoça a boca. A que "protege" os netos das ansiedades dos pais. 
Ser avó é viver no paraíso, sem nenhum padecimento.

(Escrevi esse texto em maio, para uma blogagem coletiva e o trago agora para comemorar o dia 26/07, que é o dia dedicado aos avós, numa homenagem a Santa Ana (Sant'Ana) e São Joaquim, pais de Maria, avós de Jesus, portanto.)

21 comentários:

✿ chica disse...

Lindo post, lindas fotos e netos! Muito bom mesmo ser vovo!

Felicidades pra todas vovós nesse dia bjs, chica

Misturação - Ana Karla disse...

Lúcia parabénssss!
Lindo esse seu grande amor pelos netos.
Xerosss

pensandoemfamilia disse...

Lindo seu texto. Adorei ter minhas avós por perto e mantê-las nas minhas marcas amorosas. Obrigada pela participação.

bjs

Agora Somos Três disse...

Feliz dia da avó!
Que post lindo...
A minha avó esta com 95 anos e eu tenho otimas lembranças de quando ela era mais ativa. De quando ela fazia arroz doce pra mim. Peço a Deus todos os dias que ela tenha mais e mais anos de vida.

Bjus
Ta

Marli Borges disse...

Lúcia, minha amiga. Um post maravilhoso, sincero e verdadeiro.
Também penso como você, o bom mesmo é ser apenas a avó. "A que mima. A que adoça a boca. A que "protege" os netos das ansiedades dos pais." Mas nem sempre é possível e, na vida a gente lida com possibilidades. Esse é o lance. Um grande beijo.

Denise disse...

Me vi em algumas partes desse teu lindo depoimento de amor, Lúcia. Tb tenho 2 dos meus 3 netos morando longe, e quando vou pra lá o mais velho pega livros de histórias, seu travesseiro e alguns brinquedos pra "dormir aqui com vc, vovó"... o coração fica apertado quando nos deitamos na última noite ali com ele...

Ser avó é mesmo esse momento perfeito, e eu tb já citei essa frase de serem a sobremesa da vida.. adoçam a gente, nos tornam melhores. Concordo contigo!

Parabéns, vovó, pelo dia e pelos netos!
Bjo

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida Lúcia
Sabe que nem tinha pensado o por quê gosto tanto de sobremesa??? Agora sei, por ter relação com netinhos... rs...
A sua foto beijando o neto está maravilhosa!!!
Pensamentos lindos vc usou.... digno de copiar tudo para o meu Tesouro...
Bjm festivo de paz e bem

Beth/Lilás disse...

Lúcia, parabéns, você é mesmo uma vovózona!
Deixei hoje pela manhã uma orquídea para todas as avós lá no face quando descobri que tinha também um dia agora dedicado às avós. Pena que não cheguei a conhecer as minhas!
um beijo carioca

Cristina disse...

Ah, Lúcia! Ainda bem que aqui perto há quatro creches. São de qualidade: já fui monitora, e depois diretora em uma delas (posso ter vários netos, então).
Te admiro (mas com uma invejinha). O Cláudio ainda não colaborou...
Minha avó paterna era pedagógica comigo, ensinava tudo, aproveitava todas as possibilidades. A que está viva, nunca fez assim.
Quanto aos "melames", fui criada na roça, só com apertos de mão e distanciamento inteligente.
Meus aluninhos me rejuvenescem e também me sugam as energias (alguns me chamam de avó). Aos fins de semana sinto falta deles.

Um abraço fraterno.

Carlos Medeiros disse...

Concordo, bom é ser apenas avó. Abraços. http://grandeonda.blogspot.com

ML disse...

Que texto LINDO!!!!!

Quando a turminha crescer, vai adorar essa declaração de amor da Vô!

bjnhs pra Vocês!

Toninho disse...

Parabéns Lucia e bonita sua postagem neste Vovozar.
Analogias perfeitas na arte.
Um bom fim de semana na alegria e paz.
Um abração.

Ana Paula disse...

Lúcia amei conhecer o rostinho dos teus netos e o seu jeito de vovozar!
Transparece felicidade, alegrias, sorrisos.
Obrigada pelo comentário carinhoso deixado em meu blog!
Bj

Brechique da Dodoca disse...

Oi, querida Lucia,

Você disse tudo!
Parabéns pelo texto excelente e pela vovó maravilhosa que é!
Bjsssssss, quérida, Deus a abençoa!

Sheyla - DMulheres disse...

Lucia, querida

Amei seu texto,falou de seus sentimentos e de suas limitações... Lindos netos, uns fofos.

Não tive minhas avós por perto e vejo como elas são importantes! A minha mãe além de ser maravilhosa no papel de mãe, é muito boa em matéria de ser avó rsrs Ainda bem!!

Mil bjos e um bom domingo!!

Palavras Vagabundas disse...

Só sendo avó para saber o que é! Linda a foto com os netos.
bjs
Jussara

Adelina disse...

Ai que texto lindo Lúcia! Deu até um nozinho na garganta. Parabéns pelo seu dia. Um beijo, com carinho.

Sílvia Fernanda Barreto disse...

Ai, que lindo, Lúcia! Não sou avó ainda. Mas, quando vejo os paparicos da minha mãe com minha filha, fico imaginando como deve ser bom.
Achei seu blog por acaso e adorei. Depois dá uma passadinha lá no meu.
Bjo!

http://cademeutempo.blogspot.com.br

Jussara Jatobá disse...

Oi Lúcia! amei o seu cantinho vc escreve com simplicidade e coração, vou estar sempre por aqui...meu blog é sobre Adoção passa lá! Bju!

Calu disse...

Verdade Lúcia,
vovozar é a cereja do bolo.Nos sentimos livres , leves e soltas para encher os netos de mimos.Esta mágica convivência nos renova,porém algumas vezes na vida moderna, temos de assumir uma posição meio estafante, a de pais dos netos, mas até nisso conseguimos nos sair bem, não é mesmo?
Bjkas,
Calu

Astrid Annabelle disse...

Gostei demais deste seu post Lúcia!
Vovozar é tudo de bom mesmo!
A sua escrita é muito especial.
Um beijo e não repare nas poucas palavras... ando assim... mas o carinho continua o mesmo.
Astrid Annabelle