Alguém para dividir os sonhos

  

 Tem um filme com esse nome, com o Matt Dillon e o Danny Glover. No caso, é uma história de amizade. Mas a frase me leva mais para o amor homem-mulher. Parece-me uma frase romântica, antes de tudo.
Relendo um post de uma amiga, vi lá um comentário que fiz, ano passado. Como ela é uma menina nova, na faixa dos 20 e poucos anos, resolvi filosofar e dar uma resposta que  a alertasse para o fato de que relacionamentos fracassados, que era o tema do post, acontecem principalmente porque as pessoas têm medo de ficar sozinhas, o que ela também já sabe e não aceita, só reforcei.
E meu comentário foi esse:
 "Fomos criados com a ideia de que só seremos felizes se tivermos um companheiro para seguir a vida. Todo mundo acha que é natural encontrar uma pessoa pra dividir a vida, e ficam em busca, entram em relacionamentos que não levarão a nada, simplesmente pelo medo de ficar sozinhos.
Na verdade, o amor tem que ser 'redondinho', porque só assim ele vale a pena ser vivido. Numa relação tem que haver: respeito, carinho, compreensão e admiração. E no pacote, está também o amor. Precisamos ter na cabeça que um homem ou uma mulher têm que vir inteiros, completos, nada dessa bobagem de 'metade da laranja'.
Não se vive de ilusão, a perfeição não existe e juntar duas personalidades diferentes é muito trabalhoso.
Até os 16, 18 anos, temos que acreditar que o amor é 'para sempre', depois disso já entendemos que sem luta e garra ele não dura uma estação."

Recebi muitas aprovações nos comentários e só minha irmã, psicóloga, Rachel, resolveu e colocou lá um:
"ichiiiiiiii!" que me encucou e me fez ler e reler o que comentei.

Não sei se foi aprovação ou não, nem lhe perguntei, mas acho que desaprovou. rs
Vou para 39 anos de casada, em setembro. Mais tempo do que têm, em idade, muitas das minhas seguidoras e amigas, no blog ou no Facebook.
Fiquei pensando, que direito tenho eu de "ensinar" que a vida a dois não é nenhuma beleza?
A vida  tem seu valor, sejamos sozinhos, por opção, ou vivamos acompanhados.
O que não pode haver é uma vida de aparências, um levar a relação até às últimas, só para não viver sozinho.
Cada um tem sua verdade, cada um leva a vida como quer e vive (ou não) em busca de um amor.
Alguém para dividir os sonhos sempre vale a pena. Não vale é ter alguém só para cumprir papel social. 
Não vale anunciar uma vida de esplendor e sofrer, mas não dar o braço a torcer de que a vida não foi um conto de fadas, afinal. 
Alguém para dividir os sonhos sempre é necessário, mesmo que não seja em forma de um amor carnal, mas que envolva amizade, convivência constante, seja de irmãos, mãe/pai e filhos, vizinhos, amigos.
Quando dividimos,  ficamos mais leves.

10 comentários:

Cristina disse...

Então, Lúcia... após décadas de casamento, depois de um sonho literal, acordamos.
O "Par", de tão profundamente que dorme, necessita ser chacoalhado.
É maravilhosa a mínima reação de vida...
Tão diferente daquele medo de perder "para outra" da juventude, mas mesmo assim, continua sendo medo da perda.

Um abraço.

✿ chica disse...

Lindo,Lúcia! Temos que ter o amor redondinho e de verdade,não pra mostrar...

Além do amor, cumplicidade, amizade, parceria e companheirismo. Assim vale envelhecer juntos! bjs praianos,chica

Blog da Pandinha disse...

Lúcia....AMEI! Tive a coragem de me separar após sete anos casada, mais quatro namorando, grávida de dois meses, pq fui traída. Não aceito traição, pq acredito no amor redondinho. Passei pela fase do medo da solidão, até que desdobri que eu era minha melhor companhia. Neste momento, conheci o homem da minha vida. São só 12 anos, comparados aos seus 39. Mas todos os dias reafirmamos nosso amor e o desejo de que ele seja eterno. Para isto, regamos juntos esta relação, com respeito e transparência, com companheirismo e amor! Se eu viver para comemorar 39 anos com ele, serei a mulher mais realizada do mundo! Porque nestes doze anos, o nosso amor consegue ainda crescer a cada dia! Beijo grandão!

Sheyla - DMulheres disse...

Lúcia, muito bom seu texto, parabéns!
A minha busca era por isso mesmo, para não ficar sozinha e mostrar que tinha alguém, minha nossa, quantos relacionamentos furados, que levei nas costas! Hoje em dia, estou sozinha, faz tempo, mas acho que um dia irei encontrar alguém ou não, para compartilhar a vida juntos.

Bjokas, sua linda!

Brechique da Dodoca disse...

Oi, Lucia querida!

Já pensei várias coisas sobre o amor. Tive opiniões várias. Confundi-me, talvez o suficiente.
Hoje vejo o amor como aprendizado: adaptação diária a quem nos agrada estar junto. Como uma prataria sempre a polir. Dá, até, para passar um tempinho sem tomar conta, sem olhar, sem passar o paninho, mas não todo o tempo.
E, ainda assim, podemos perdê-la ou nos desinteressarmos dela!
Não, não sei mais o que é esse tal de amor, mas é bom sonhar junto, ah, isso é!
Bjssssssssss, quérida, Deus a abençoa!

Palavras Vagabundas disse...

Lucia, concordo com você, precisamos de alguém para dividir os sonhos, mas nem sempre esse alguém precisa ser seu par.
bjs
Jussara

Silenciosamente ouvindo... disse...

Tenho 45 anos de casamento e já
passei pelas várias vazes da
vivência em conjunto. Não é fácil,
mas acredito que a amizade acaba
por ser mais importante que o amor
e com muita amizade acaba-se por
vencer as situações piores.
Bj.
Irene Alves

ML disse...

Lucia, Querida:

re. " que direito tenho eu de "ensinar" que a vida a dois não é nenhuma beleza?"
só não sabe quem... nunca parou pra pensar.
Afinal, que relacionamento (mesmo que seja com o gerente do banco) pode ser "parfeit" depois de... 5anos???
Viver a dois, a 3, etc (falo de família com filhos ; > ) é aprendizado, gente demais...
Eu nem sempre me dou bem nem comigo mesma, quanto mais com outro (s).
Então... lindo post (mais 1) que fala a verdade. O que não quer dizer que o amor não seja lindo. Já a convivência é outra coisa...

bjnhsssssssssssssssss

Clara Lúcia disse...

Lúcia, hoje eu sei que é assim, que deve ser assim, mas qdo se tem 20 e poucos, não temos maturidade suficiente pra ouvir pessoas que tenham mais experiências. Olha, não sei se ouvia ou se não queria ouvir. Não me lembro. Meu casamento foi horrível, desde o sim na igreja até hoje (ainda pago por isso), mas separar foi a melhor opção. Me separei com meus filhos pequenos, 2 e 4 anos, com a cara e a coragem, sozinha, porque não era de ficar contando minha vida, e foi até um gesto assustador pra muitos. Bem... passou.
E depois disso, depois de sofrimentos é que avaliamos a vida, nossa vida, relacionamentos, amor, companheirismo... respeito, amizade, tudo!

E com 20 e poucos anos o coração sempre fala mais alto e sempre temos a ilusão de "mudar" o parceiro. Por isso muitos levam a união na barriga, aos trancos e barrancos.
Que bom que tem esse exemplo ótimo pra passar, pra quem quiser saber, refletir e levar como exemplo pra vida.

Beijos

Áurea Ribeiro disse...

Olá, Lúcia!

Gostei de suas colocações.Realmente precisamos de alguém para dividir sonhos, mas isso é apenas uma questão de afinidade não de compromisso.Que bom que além de sonhos você compartilha suas ideias! Boas ideias.
Áurea
http://ocadobuscador.blogspot.com.br