Pessoas felizes agem diferente?

Pra todo lado que se olhe, para quase tudo que se lê, a tônica é mostrar gente feliz.


 Porque a vida já é complicada em si mesma, então temos que cultivar a felicidade.
Que, sabemos, não tem fórmula pronta. Se tivesse, quem seria bobo de não seguí-la?
Ser feliz é realmente escolha. Coragem. Decisão.


 A voz corrente, e recorrente, que pra ser feliz precisamos de dinheiro, que "chorar em Paris" é melhor do que chorar dentro de casa, é velha e desgastada. E quem vive em Paris, vai querer chorar onde, pra ser feliz?!
Ou que só somos felizes quando completos e por "completos" uma grande parte entende que significa ter alguém para chamar de seu, um companheiro que nem sempre é o ideal, mas que é necessário?
O ideal de todas as pessoas é mais ou menos o mesmo: ter estabilidade financeira, saúde, paz interior, um amor, uma 
família.


Mas há quem tem "tudo isso"  e ainda se sente infeliz.
Porque aprendemos e levamos pela vida sentimentos negativos, que só nos atrasam na evolução natural.
O natural é ser livre, pés no chão, cabeça nas nuvens, procurar dia a dia o alimento necessário (alimento interior, como se fosse nosso ar).
Algo como no tempo das cavernas.
Quem pode nos contar que ali tinha gente infeliz?
Mas devia ter.
O invejoso, o irado, o cético, o rancoroso, normalmente são pessoas infelizes.
Pensar no que o outro tem, sem fazer nada para ter o seu, acaba com qualquer vida.
Porque sempre há o que tem  mais do que eu, do que o outro.
E sempre, mas sempre mesmo, a grama do vizinho vai parecer mais bonita que a nossa. Mas só parecer. A vida de cada um é isso mesmo: de cada um. E cada um sabe onde lhe aperta o calo.
Não podemos e nem devemos passar por cima das humilhações, por exemplo, simplesmente perdoando quem nos fez mal. Mas podemos olhar nos olhos dessa pessoa, falar o que sentimos, virar as costas e tomar nosso rumo, sem que aquela pessoa continue a interferir em nossa vida. Se levarmos  raiva, rancor, desejo de vingança, estamos irremediavelmente presos a ela.
Não precisamos parecer bobos, quando somos bons. Sejamos apenas. Quando somos bons, atraímos bondade. Quando nos deparamos com o mal, conseguimos sair dele, mesmo que a luta seja grande.
Não conheço alguém que seja vingativo e feliz, por exemplo. Nem à moda dele. Pode parecer feliz, mas não o é, de verdade.
Sinto-me feliz como sou. O que não quer dizer que seja feliz o tempo todo.
Tenho meus medos e o medo é um dos desafios a serem combatidos, diariamente.
Tenho algumas frustrações, embora não tenha me esforçado muito para conseguir o que queria.
Perdi muitas das minha culpas, trazidas com a educação católica apostólica romana, a qual ainda sigo, pois me fez mais bem do que mal. Acho que a religião é um pilar indispensável à nossa formação. 
 E continuo sonhando, embora saiba que dimensão dar aos meus sonhos.
Sonhar é viver, é acreditar.
E, por uma dessas coincidências, que absolutamente não o são, fiz uma pausa nesse texto e dei uma corrida pelo Facebook. Lá vi: "Deus de vez em quando me tira a poesia. Olho para uma pedra e vejo uma pedra." Adélia Prado
E é isso!
A poesia faz parte da felicidade, não a escrita, mas a vivida pelos olhos e com os sentimentos.
Temos que ver a vida com poesia, senão o que teremos?
Há poesia nos terremotos, nos ciclones, nas tsunamis, nos assaltos, nos assassinatos, nas roubalheiras, na corrupção? Certamente que não.
Mas há poesia em nossa alma, quando acreditamos que tudo pode ser diferente, que tudo passa, que tudo tem uma resposta, mesmo que a pergunta nem seja feita.
Para ser feliz, temos que ser livres.
Viver o presente.
Sentirmo-nos únicos.
Enxergar a vida com objetividade. Nem sempre a rotina é ruim. A rotina pode apenas ser a diretriz que precisamos.
Um dos textos mais perfeitos que leio muito é o que diz:
"Concedei-nos, Senhor, a Serenidade necessária
para aceitar as coisas que não podemos modificar,
Coragem para modificar aquelas que podemos,
e Sabedoria para distinguir umas das outras."

Cercar-nos das pessoas certas, não as que escolhemos, mas as que acolhemos com o coração.
Viver a vida sem pensar no que pensam de nós.
Falar menos e ouvir mais. (Estou a caminho)
Rezar (fundamental, para mim).
Meditar (preciso aprender).
Comer corretamente. (aprendendo)
Ler muito.
Praticar atividade física.
Controlar impulsividades.
Dormir bem.
Dizer a verdade, mas nem tudo o que pensamos.
Não são regras. Mas são lembretes. 
Para ser feliz, basta estar vivo.
O que fazer com sua vida, é escolha sua.
Não precisamos agir diferente para sermos felizes. Basta decidirmos. E enquanto enxergarmos o outro como mais importante do que nós, fica muito difícil ser feliz.
Somos únicos. E principais.


27 comentários:

angela disse...

adorei a postagem. tambem tenho como mantra estas palavas creditadas a de st francis de sales. bj enorme

Gina disse...

E assumir as escolhas, não é mesmo?
Também gostei muito.
Bjs.

Misturação - Ana Karla disse...

Só depende de nós mesmos.
Lúcia, eu também, gostei demais.
Xeros

Beth/Lilás disse...

Suas colocações são bastante reais, pois há dias, vendo tanta felicidade aparente, que achamos que a nossa perdeu-se por aí, mas se deixarmos de nos preocupar com fatores e estatísticas, bem como disse a Gina "assumir nossas escolhas', com certeza, poderemos nos divertir mais e tudo ficará mais leve e feliz.
um beijo (com tosse) carioca


Brechique da Dodoca disse...

Oi, querida Lucia!
Um dia meu atual marido, num momento de muita dor, disse-me enquanto eu tentava dar uma de Poliana: "A vida não é uma festa o tempo todo, Cléa!". Preciso dizer que choquei ao ouvi-lo? Choquei, mas ruminei e conclui que é uma festa sim, mas, de vez em quando, a festa dá uma pausa, ora!
Eu nasci com predisposição à felicidade e quero crer que ninguém me tira isso!
Sou feliz, o que não quer dizer que não haja dias que estou p... da vida! Rssssssssssssss
Bjssssssssssssss, quérida!















Dr Dario Pacheco disse...

Adorei seu texto. Realmente ser livre é condição fundamental para a felicidade. Beijos

Kellen Bittencourt disse...

Adorei Lucia, sem duvida um texto de muita reflexão, a ditadura da felicidade não é fácil! Bjooosss

Márcia Balz disse...

Oi Lúcia ! É a primeira vez que visito o teu blog. Teu convite para aprender a ser feliz foi muito atrativo. Já fizeram uma pesquisa em vários países, com pessoas de culturas e situação financeiras diferentes e as respostas são sempre as mesmas. As coisas que nos fazem infelizes são as "coisas" que não temos. E as que nos tornam mais felizes são aquelas que conquistamos no passado e situações corriqueiras do cotidiano. Te adorei. Bjim!

Lu Souza Brito disse...

Lucia,

Não tenho o que comentar. Você disse tudo.
A felicidade não é receita de bolo mesmo, mas é fato que a encontramos dentro de nós, quando decidimos ser feliz.Dias ótimos e outros nem tao bons assim...mas com vontade de estar bem, fazer o bem, viver bem. O mais engraçado é o quanto isso não implica nada em ter. É somente SER.
Eu sou Feliz quando sei que há um Deus, uma força que me guia, que me ampara, que me dá colo e me ama. Preciso disso. Sou uma pessoa crente em Deus.
Sou feliz em tantos momentos, tao diferentes um do outro.
E e isso, Estar vivo já é uma felicidade imensa.
Adorei ler este post tao lindo hoje!
Um beijo

Solar da Marquesa disse...

Lucia, durante anos tive um quadrinho que tinha a rase abaixo em minha sala e trabalho: "Não quero ter razão, quero ser feliz", então felicidde para mim é ser como sou, com todos os meus defeitos e qualidades, do que impor qualquer opinião para quem quer que seja, nem mesmo para as minhas filhas! Depois que transformei essa frase em um modo de ver o mundo, me tornei mais tolerante com os outros e me tornei mais feliz comigo mesmo.
bjs
Jussara

Palavras Vagabundas disse...

Lucia, acabei colocando o comentário com o endereço do site das minhas irmãs!
"...tinha a frase abaixo..." corrigindo, hoje não tô boa, risos
bjs
Jussara

Lúcia Soares disse...

Lu Souza Brito:

Lucia,
Não tenho o que comentar. Você disse tudo.
A felicidade não é receita de bolo mesmo, mas é fato que a encontramos dentro de nós, quando decidimos ser feliz.Dias ótimos e outros nem tão bons assim...mas com vontade de estar bem, fazer o bem, viver bem. O mais engraçado é o quanto isso não implica nada em ter. É somente SER.
Eu sou Feliz quando sei que há um Deus, uma força que me guia, que me ampara, que me dá colo e me ama. Preciso disso. Sou uma pessoa crente em Deus.
Sou feliz em tantos momentos, tao diferentes um do outro.
E e isso, Estar vivo já é uma felicidade imensa.
Adorei ler este post tao lindo hoje!
Um beijo

Mara Lucia Bechara disse...

A felicidade são momentos "ninguém tem uma vida de propaganda de margarina"estou numa fase de procuras não estou feliz no sentido pleno da palavra,conversava com uma amiga de net muito querida,eu me sinto sem sonhos ,sem projetos,parece que já fiz tudo que se pode fazer numa vida!!!é triste...e Lúcia meu apelido na família é Poliana sempre olhando os cristais,e não estou em depressão ,já estive, hoje falo sem tomar remédio que te dá uma falsa ilusão de felicidade...esse amuleto dispenso!!Texto brilhante como sempre..
bjjs e bom fim de semana

ML disse...

Quando "ela" resolve escrever... não tem pra mais ninguém.
Como "ela" pensa super bem, é "fera" !
Lúcia: super obrigada por (mais)essa lição.
Importante você ter me relembrado e me ensinado tantas formas de viver melhor. Estou sorrindo. E amanhã, vou tentar continuar a agir com tran-qui-li-da-de.

bjnhssssssssssssssssssss

Faniquito disse...

Lúcia, muito boa essa "conversa" !!!

Penso q a felicidade é algo muito subjetivo mas eu, depois desses anos todos, tenho comigo q pra ser feliz preciso de muito pouco e ao mesmo tempo de muito tudo. Tá confuso ? Não, né...muito pouco do q não nos faz bem e muito tudo do q queremos e precisamos...a simplicidade.

Bom findi

Beijinhos

Ana

Heloísa disse...

Lúcia,
Que reflexão linda, e completa.
Saber ser feliz é uma das chaves. Não procurar a felicidade onde ela não pode estar. Ter olhos bem abertos para as coisas boas da vida.
E rezar, como voce disse, pedindo sabedoria.
Beijos.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Sere feliz depende de imensas
situações e dos estados de alma,
e sobretudo de não estar doente.
Gostei muito do seu post.
Beijinhos
Irene Alves

Dani dutch disse...

Oi Lúcia, seu post está esbanjando sabedoria.... estou em alguns processos de aprendizagem e nao é nada fácil exige muito da gente, mas é pelo nosso próprio bem, nossa propria felicidade, penso assim também. bjus e otimo domingo

Clara Lúcia disse...

Lúcia, tem horas que dá vontade de fazer um monte e tacar fogo nessas frases feitas sobre autoestima e ser feliz. Mesmo que eu costume postar isso de vez em quando, tem horas que enche o saco. O buraco é sempre mais embaixo. Acho que é essa a hora em que eu perco a poesia e só vejo pedra pela frente.
Aí entra a oração, a meditação e tudo se acalma em meu peito.
Mas não é fácil... nem difícil... isso depende do ânimo e da vontade que temos no dia a dia.
Tem horas que me sinto cansada de tudo...
E tem horas que quero abraçar o mundo e realizar tudo o que quero e tenho em mente.
Mas chega o outro dia e tudo permanece como sempre foi...

É a vida... a única vida que temos...

Beijos, querida, ótima semana pra vc!

Luma Rosa disse...

Oi, Lúcia!!
Pessoas felizes agem diferente.
Por serem felizes conseguem ver poesia onde não há. Conseguem ser positivas no caos. Mas não acho que a felicidade tem a ver com sorrisos ou demonstrações públicas de satisfação pessoal.
As filosofias orientais dizem que para o homem estar a caminho da felicidade, ele tem que estar suprido de suas necessidades básicas - ter um teto, comer e dormir bem, ter satisfações domésticas, agradecer e ter contato físico recorrente - que seja abraço, beijo, aperto de mão.
Pessoalmente associo a felicidade à paz. Quando estou em paz meditando consigo chegar ao nirvana.
Boa semana!!
Beijus,

Anne Lieri disse...

Que excelente texto!Tanto a aprender,colocar em prática,assimilar pra vida...gostei demais,Lucia!bjs,

✿ chica disse...

Lucia,, acredito que pra ser feliz temos que saber ver as coisas lindas e boas em cada olhar, nas coisinhas mais simples. Se ficarmos esperando muito ou muita coisa, não a acharemos! beijos,chica, obrigadão pelo carinho! chica

Teresinha disse...

Olá Lúcia,
Com certeza a felicidade possibilita fazer as coisas com mais prazer...Devemos aproveitar as fases boas para elevar a autoestima e nos proporcionar momentos deliciosos. Saber tirar proveito das pequenas coisas da vida para que a felicidade seja plena.
Beijos mil

pensandoemfamilia disse...

Bom tema :ser feliz.Penso que seja sabermos viver a humanidade com suas imperfeições e reconhecermos a beleza deste universo cheio de diversidades,
bjs

J.F. disse...

Olá, Lúcia.
Bonitas e verdadeiras reflexões. Seria muito bom que muito mais gente lesse.
Cheguei aqui através do blogue da Rosamaria, após ler seu comentário.
Na última postagem da Rosa, sobre o Mont Saint Michel, com belíssimas fotos da Abadia (a Rosa é fotógrafa excelente), você comentou ter lido recentemente uma série de 7 livros, romances históricos relativos ao período pré Guerra dos Cem Anos. Certamente você se referiu à série "Os Reis Malditos", de Maurice Druon, que se inicia com "O Rei de Ferro", não é? Coincidentemente, há pouco eu acabei de reler essa série. Livros que a gente começa e quer ir até o fim. Agora, caiu-me nas mãos o livro "O Tesoureiro do Rei", de Thomas B. Costain, no mesmo estilo, e que retrata a época por volta de 1.450, pós Joana D'Arc, mas ainda a guerra entre França e Inglaterra. Muito interessante. Tendo gostado dos livros de Druon, acredito que você gostará deste livro de Costain. O exemplar que eu consegui é uma edição de 1947, da Editora do Brasil S/A.
Abração.

Toninho disse...

Que texto fantastico Lucia.
As medidas nas dosagens perfeitas, para viver é preciso estar nesta missão e sabemos quão dificil proceder nestas linhas e ainda saber que ao contrario nada seremos e nada podemos.
Grato pela partilha.
Um carinhoso abraço amiga.
Um lindo feriadão a voce.

Silvia C. Barbosa disse...

Lúcia, adorei o texto.

Infelizmente, fiquei cética, depois de acreditar demais. E, um pouco infeliz. Mas assim como a felicidade, a infelicidade também não me toma como um todo, é apenas uma parte de mim. É a parte que arrasta minha maior frustração. Mas tb tenho minhas porções de felicidade, e no meio disso tudo, tem eu rs.

Beijos