Ser coruja ou ser falcão?

 Acho que nada acontece por acaso e sempre que me deparo com um texto assim, fico a pensar no real valor que nos damos. Aproveitem a semana.
  A coruja e o falcão
 "Certa vez, um homem que rezava, observou uma coruja que estava junto à janela. 
Ela caiu e o distraiu da oração, mas ele não deu muito importância a ela.
Nos outros dias, ele observou que a coruja permanecia naquele lugar e parece que se estabelecera ali. 
Começou a incomodar-se com aquela ave; ela ocupava mais tempo de sua atenção que a oração.
Como veio parar ali, se não comia?  E uma vez até chegou a mexer com ela para ver se realmente era uma coruja de verdade. 
De tanto observar, notou que a ave era cega e isso encheu mais ainda sua cabeça de perguntas. 
Até que um dia, notou que um falcão entrava na igreja com algo entre os bicos.
Eram algumas minhocas ou algum inseto e que servia de alimento para a coruja. 
Ele maravilhou-se com o que viu e chegou a coçar os olhos para ver se enxergava direito: o falcão entrava na igreja para alimentar a coruja, da mesma forma como faria com um de seus filhotes!
Imediatamente o piedoso homem começou a louvar o Senhor e a se perguntar a razão de tamanho milagre. Jesus diz que Deus cuida até dos pássaros com o cuidado de um pai. 
Sentiu enorme consolação ao pensar em um Deus amoroso, que coloca um falcão para cuidar de uma mísera coruja. 
O que não faria Deus por ele? 
Sentiu o coração vibrar ao perceber que Deus também cuidava dele com o mesmo carinho com que cuidava daquela ave.
No entanto sua consolação também lhe trouxe a noção interior de que Deus lhe revelava algo único. 
Refletiu e decidiu vender tudo o que tinha e colocar-se aos cuidados de Deus.
Ponderou que era apegado demais aos seus bens e que Deus o chamava para viver uma vida de pobre, dependendo unicamente da providência divina, pois ele valeria mais que milhões de coruja.
Saiu de sua casa e colocou-se como mendigo na porta da mesma igreja que costumava frequentar. 
No entanto, começou a ter dificuldades. 
As pessoas o tinham conhecido como rico comerciante e não entendiam porque ele estava ali. 
Alguns achavam que tinha endoidecido; não lhe davam esmolas e ele começou a passar fome. 
Desolado e entristecido, pensava que Deus o tinha abandonado. 
Renunciara a tudo para viver da providência de Deus e Deus não aceitou sua renúncia. 
Entrou na igreja e revelou sua desolação a um padre. 
Ao que o padre lhe perguntou:
– Você tem certeza que foi Deus quem lhe pediu para viver como mendigo?
– Claro, a experiência com a coruja me mostrou que Deus sempre cuida de quem precisa, eu não tinha como duvidar! – Respondeu, convicto.
O padre o olhou serenamente e com muita compaixão lhe perguntou:
– Você tem certeza que Deus o chamava para ser coruja? Não lhe estaria chamando para ser falcão?

(Deus nos trata como à coruja, mas nos chamou para sermos como o falcão. 
Se você decidir assumir seu papel como falcão, Deus lhe conduzirá exatamente onde há uma coruja precisando de alimento.)"
(Texto recebido por e-mail, sem autoria. Procuro no Google e encontro várias postagens, mas não a autoria. Caí em sites religiosos, que tratam o texto como parábola). 

8 comentários:

ML disse...

Nunca tinha lido, adorei a sapiência do padre, Lúcia: em outras palavras, se pode fazer, não se acomode. Lindo! bjnhs

✿ chica disse...

Não conhecia esse texto.Lindo! Bela mensagem! beijos,ótimo domingo e semana! chica

Calu disse...

Também não conhecia esta mensagem reveladora das muitas interpretações erradas a que estamos sujeitos na vida.Olhar e ponderar ajuda a entender melhor.
Bela parábola, Lúcia.
Ótima semana.
Bjos,
Calu

Palavras Vagabundas disse...

Achei lindo! Para muita reflexão.
bjs
Jussara

Kellen Bittencourt disse...

Que lindo Lucia, sempre podemos ser o Falcão, mesmo que em diversas situações nos consideramos a coruja, tem sempre uma outra coruja esperando pelas nossas atitudes de falcão! Adorei! Bjooooss

Orvalho do Céu disse...

Ola, querida amiga Lucia
Saudade de vc..
Estou nisso... indo pra nova missao... ficarei bem distante daqui...
Vou postar o nosso alegre e efusivo encontro cujo tempo foi curto como vc bem disse... depois te aviso...
Bjm de paz e bem

Pepa disse...

Oi Lucia, é a Vi, como o texto é religioso, cabe uma reflexão: tudo que não procede de fé é pecado..
Não adianta alguém querer imitar Jesus andando sobre as águas, é necessário acreditar que vai andar sobre as águas..
Na verdade esse tipo de fé, não é tão fácil de se ter, é só observamos o que aconteceu com Pedro, quando ele deixou de olhar para Aquele que lhe dava fé, para olhar para o mar tempestuoso e passar afundar..
Portanto, devemos andar segundo a nossa fé, e não pela fé dos outros.
Muitos beijos,Vi

Teresinha disse...

Olá Lúcia,
Que mensagem interessante! Abre um leque para muitas reflexões.
Beijos mil