E agora?

O nome do juiz que autorizou a retirada das crianças de casa, para adoção: Vitor Manoel Xavier Bizerra (assim mesmo, com i.)
O local onde o caso se deu: na cidade de Monte Santo, BA.
Cinco crianças foram tiradas dos pais e entregues a 4 famílias, para adoção, em São Paulo. Suponho, então, que uma das famílias ficou com 2 das crianças.
O fato se deu em 2011 e em apenas 24 horas as crianças já tinham sido entregues a estas famílias.
Nem vou dizer o quanto foram eficientes. Tantas famílias esperam meses e anos por uma adoção e estas foram feitas no vapt-vupt. (Agora, em Dezembro, sabemos que não foi assim, todos os trâmites foram cumpridos, os pais é que não apareceram no Forum).
Fazem o auê todo para divulgar mas não mostraram onde estão essas crianças, se estão vivas, bem cuidadas.
Por lei, entre tantas outras preliminares, numa audiência tem que haver as duas partes envolvidadas, os adotantes e parentes da criança adotada, ou alguém do Ministério Público, no caso de crianças sem família.
Uma das crianças era um bebê de apenas 2 meses, uma menina. Que agora tem mais de 1 aninho e só conhece essa "mãe" que a está criando. Coloco entre aspas por que é uma pessoa de má fé, que jamais poderá dizer que não sabia de onde vinha esse bebê, em tempo tão rápido, se não passou pelos trâmites legais para a adoção. (Escrevi sem conhecimento dos fatos reais, pois a reportagem é que foi omissa com as informações).
Por mais que o casal seja pobre, o que os deixou levar os filhos foi o medo, a total ignorância de que não há juiz nem lei que tirem filhos dos pais, desde que estes sejam bem tratados. Pobreza nunca foi qualificação para tomar filho de pai e mãe. (Os pais biológicos não são apenas sem recursos, são bêbados, drogados e possivelmente ela se prostitui. Dos 5 filhos, apenas 2 são do companheiro, a menina, bebê na época, não é filha do homem com o qual a mãe vive. Agora ela já tem mais uma criança e espera outra, segundo notícias, não desse mesmo homem...)
Sabe-se que duas das crianças moram em Campinas e os outros em uma cidade vizinha, Indaiatuba.
O que espero é que pelo menos estejam sendo bem tratados e amados.
O que não justifica a atitude dos pais adotivos, que sabiam que essas crianças foram arrancadas dos pais, por mais que possam negar agora. (Segundo consta, tudo ocorreu de maneira legal, eles estavam na fila para uma adoção).
E disso tudo fica a estupefação em ver como as pessoas de pouco rendimento financeiro e intelectual estão sujeitas à maldade humana. Há muita coisa por detrás dessa história, agora virão acusações de todas as partes, inclusive denegrindo as imagens dos pais e avós. (Realmente é o que está acontecendo, mas com testemunhas de que as crianças sofriam maus tratos e eram negligenciadas).
As condições miseráveis em que vivem um número grande de brasileiros assustam mas não sensibilizam as autoridades, pelo visto. O juiz que deu essas crianças para a adoção agiu criminosamente e não pode ficar impune. (Mea Culpa, pois assim não é).
Enquanto isso se fala em morte das crianças, para retirada dos órgãos, ou terem sido traficadas para a prostituição, ou estar em mãos de pedófilos. Mentes maldosas além do necessário.
Prefiro pensar que estão bem, amados pelas pessoas que mesmo de má fé , os adotaram. (Retiro algumas palavras).
E ficam várias perguntas:
Essas crianças deverão voltar para a vida miserável que tinham, mas junto aos pais? (Tenho certeza, agora, de que a resposta é só uma: não!)
E esses pais adotivos, irão abrir mão dessas crianças, deixando-as voltar e viver uma sub-vida, mas ao lado de quem as colocou no mundo? (Espero que não, que a justiça haja e as devolvam aos pais de coração).
Os garotos (com exceção da bebê de 2 meses, menina, todos os outros são meninos, hoje com 7, 5, 4 e 2 anos), acostumados a uma boa vida (espero que sim) por mais de um ano, como se sentirão ao voltar para as suas vidas de pobreza, com pais que nunca lhes poderão dar nada, a não ser o mais fundamental: o amor (Mesmo sendo um pensamento particular, pois não estou no coração dessa mãe biológica, não acredito nesse amor dela pelos filhos).

Talvez os meninos de 7 e 5 anos tenham lembranças maiores desses pais, mas os mais novos certamente já se envolveram emocionalmente com os pais adotivos.
Isso, considerando que estão sendo bem tratados, estão com vida boa, futuro garantido nos estudos, numa educação formal.
Não sei como  a lei vai decidir. 
Espero que esta mãe tenha de volta os filhos e que seja decidido o melhor para eles, mas com a aprovação dos principais envolvidos, que são os pais biológicos.
Esta mãe e este pai têm o direito de ter os filhos de volta. Essas crianças têm o direito de se lembrar, ou aprender, quem são seus verdadeiros pais.
Justiça, agora, é só a de Deus, para iluminar os corações de todos os envolvidos.

(Penso que nem a sabedoria de Salomão daria conta desse impasse. Só Deus mesmo!)

(Informações equivocadas da reportagem da Rede Globo me levou a escrever o post. Reviravolta na versão apresentada me fazem pensar que as crianças têm que ficar com os pais adotivos. E que essa parideira (não é mãe, apenas traz as crianças à luz) seja devidamente enquadrada dentro da lei e esterilizada, para não continuar a colocar inocentes no mundo, para sofrerem).

12 comentários:

Bombom disse...

Notícias como essa revoltam-me e deixam-me perplexa. Como se pode retirar os filhos aos pais, por estes serem pobres? Será isso crime? Não será crime maior o da Sociedade (Estado ou Governo) que não promove o Emprego, a Habitação, a Saúde e a Educação? E onde está a Justiça? Será que é mesmo cega e de má fé?
Aqui em Portugal não é fácil tirar as crianças aos pais biológicos, só mesmo quando há negligência e as crianças correm perigo. Os processos de adopção são demasiado longos e difíceis.E mesmo quando as crianças são entregues a Famílias de Acolhimento ou às Adoptivas, são acompanhadas por Assistentes Sociais que se inteiram de como elas estão a ser tratadas.
No caso que contas parece que houve muita pressa em roubar as crianças aos pais para as entregar sabe-se lá a quem e a que preço. Se a Justiça se preocupasse com o bem das crianças, teria procedido de modo muito diferente.
Pobres crianças!
Fico triste. Bjs. Bombom

Kellen Bittencourt disse...

Oii Lucia, esse caso chocou mesmo todo mundo, um absurdo isso, pobreza não é sinal de má criação, não é por que a familia é humilde que não são bons pais, não há nada que justifique o que essas pessoas fizeram, pior são as famílias que tem coragem de ficar com essas crianças, será que eles dormem tranquilos tendo tirado as crianças dos seus pais?! Um absurdo!!! Bjinhosss

✿ chica disse...

Um caso que nos chocou a todos!! Imagino a situação dos pais! Tristeza!! beijos,tudo de bom,chica

Cláudia disse...

Olá Lúcia
Ui, que coisa complicada! Esses casos são sempre muito difíceis de compreender, mas pelo que li, se o argumento para terem retirado as crianças aos pais foi a "pobreza", então isso não tem cabimento mesmo! Quando há maus-tratos ou negligência, aí o caso muda de figura, mas por pobreza? Então quandos milhares de crianças teriam de ser retirados das famílias... inclusive aqui em Portugal, onde estamos passando por uma crise terrível, o país está a ficar cheio de "novos pobres", já que o desemprego aumenta a cada dia que passa. Por aqui as coisas estão muito complicadas!
Bjs

Beth/Lilás disse...

Nossa, que tristeza!
Custa-me a acreditar que um Magistrado possa se envolver tanto assim. Não tenho visto notícias porque tenho evitado o stress diário que isso acarreta para minha saúde.]Espero que a justiça seja feita e que essas pobres crianças retornem a seus pais.
abraço carioca


Valéria disse...

Oi Lúcia!
É um absurdo ver isto acontecer assim sob os olhos da lei. Até que ponto eles estão indo! É de cortar o coração ver a tristeza de pais que mesmo pobres se sacrificam para criar seus filhos e vivenciar tamanha injustiça ao serem tirados os seus filhos. Este magistrado feriu um direito fundamental, que horror!
Beijinhos!

manuel marques Arroz disse...

Políticas de interesses e erradas.

Beijo.

ML disse...

Querida, realmente esse caso ilustra esse país.
Que terrinha "vendida", desde o começo, né?
De fato, o âmago da questão está no judiciário, se não fosse "ele", nada disso teria acontecido.
Punição mor pro tal juiz. Todos os outros - corrompidos e corruptores - são réus secundários.
E boa sorte pras crianças!

bjnhssssssss

Georgia Aegerter disse...

Lucia, é triste demais se uma mae perde os filhos e ainda mais dessa maneira. Será que essa história é assim mesmo? Me custa acredira como vc mesma escreveu no comeco do teu post, onde tantas outras familias estao esperando há tantos anos por uma solucao do juiz e ai esa familia perde todos os filhos de uma vez?

Nao posso dizer nada a respeito, acho que faltam conteúdos. Mas se foi assim mesmo é um caso de horror e pior ainda se as criancas foram entregues para este tipo de barbare que vc nem quer pensar e nem eu amiga, perfio pensar como vc que eles estao bem e felizes.

Bjos e um lindo fim de semana

Marly disse...

Oi, Lúcia,

Esta estória me deixou estarrecida, pois é quase inacreditável. Ao longo dos últimos dez anos, várias vezes, li matérias em jornais e revistas que davam conta dos muitos trâmites e das muitas exigências que são cobradas dos que pretendem adotar uma crianças. E aí acontece uma coisa dessas! Realmente há muitos pontos obscuros nesta estória.

Beijo e bom fim de semana

Calu disse...

Perplexidades estão cada vez mais constantes em nosso país.O que, além de todo absurdo, me espanta é o representante das leis agir ilegalmente.
Pobreza não desqualifica o amor, pelo contrário, muitas das vezes , o intensifica.
Impasse estabelecido.E agora?será que levarão em conta os sentimentos de todas as crianças ou novamente serão objetos de troca?
Mais uma história chocante, Lucia.
Bjos,
Calu

Tina disse...

Oi Lúcia!

Este acontecimento é revoltante sem sombra de dúvida. Não consigo imaginar a dor dos pais - na atual conjuntura de "ambas famílias". Eu sei que quem "adotou" as crianças usou de má fé, isso é certo, mas fico imaginando como será daqui para frente: devolver as crianças aos pais biológicos e privá-los de uma vida melhor ? Dividir a guarda talvez? É sem dúvida uma "Escolha de Sofia" - na vida real desta vez.

Peço a Deus que ilumine a mente dos que vão decidir/ julgar este impasse e que haja punição para quem manipulou a lei criando este terrível dilema.

beijos,