Mãe, para sempre

 Aos 80 anos ainda saía para fazer compras, cozinhava, descia e subia escada íngreme e tomava conta da casa toda, como "general" que sempre foi. A nora fez fotos para comemorar a data, pedia sorrisos e ela dizia que não sabia sorrir. 
As unhas eram feitas toda semana, tanto podia ser um esmalte discreto quanto um vermelhão, dependia do humor.
A vida não foi só generosa com ela, também lhe deu muitas rasteiras, por exemplo, tirando-lhe o pai aos 13 anos, segunda filha, de 7, que praticamente tomou a frente de tudo e foi o braço forte da mãe, viúva aos 35 anos. Isto a abalou para a vida toda, era um pai adorável e adorado.
Aos 17 anos estava casada, com seu primeiro e único amor. Desta vez, a vida lhe foi generosa, ficando juntos por mais de 50 anos.
 Em 2012, no casamento de uma das netas, nem queria ir, mas esta disse que só entraria na igreja com ela presente. E ela foi, com a mesma roupa do casamento da filha caçula, de anos atrás, mas ela sempre foi majestade, ficava bonita com qualquer roupa que vestisse. Uns ajustes, porque agora era mais magra, e lá foi ela, marcar presença, para alegria de todos. 
 Em 2014, poucos meses antes de adoecer, sempre arrumadinha para o almoço, talvez Dia das Mães? As joias sempre foram poucas, a grana era curta (ou os filhos eram muitos?) , mas qualquer enfeite que usasse parecia joia nela. 

Já não queria sair para as comemorações em família. Mas esse dia quis ir, aniversário de 10 anos da neta mais nova. Arrumou-se, chegou e "causou", foi tão festejada quanto a aniversariante, riu, conversou, tirou foto. 
Quatro dias depois, adoeceu, um AVC que a deixou na cama, sem se mexer, sem falar coerentemente, apenas repete nome, palavras, frases.
Não sei se tem algum conhecimento do que se passa a sua volta, às vezes parece que sim, outras vezes parece que não.
E essa dor não passa, é imensa, avassaladora, mil perguntas que não têm respostas, tantos "por quês" que me sufocam.
Cinco meses sem ela, cinco meses com ela? 
Na foto, ainda no hospital, onde ficou por longos 3 meses.
Em casa tem o mesmo regime, cama hospitalar, todo o conforto que podemos dar e para o qual não medimos esforços.
Só quem passou por isso sabe que a dor é diária, embora ainda possamos rir.
Minha mãe, como queria que fosse diferente!
Feliz todos os dias para a senhora e que Deus comande nossas vidas com Sua infinita bondade.
Que perguntemos menos e aceitemos mais.
Que do pranto se faça o riso, diariamente, para que possamos seguir. Juntos, enquanto tiver que ser. 
Meu amor. 



23 comentários:

Élys disse...

Uma terna e muito comovente
homenagem. Que Deus abençoe muito a sua mãe e a você com a Sua mais doce Luz.
Élys.

Anônimo disse...

Que belo texto, cheio de sentimento e de verdade. Puro, transparente. Lúcia, vc é uma mãe e uma filha amável! Força querida! Parabéns pelo seu dia e parabéns para sua mãezinha linda também! Beijos, com carinho. Adelina

ECR ENGLISH SCHOOL disse...

Nossa, Lúcia!
Fui pensando na vida conforme lia seu texto. Tô sem palavras.
Eu só queria que as coisas fossem diferentes ... Fique com Deus.

✿ chica disse...

Lindo, lindo, emocionante demais,Lúcia! lindas fotos e fases da tua mãe. pPena a última! mas te entendo bem! Elas estão presentes, mas não passam o calor... pena! Fica bem! bjs, chica

Maria Claudia Rodriguez disse...

Emocionante Lúcia
E triste , me fez pensar na minha mãezinha também
Nossas mãezinhas deveriam ser eternas
Um grande abraço Lúcia e desejos de melhoras para sua mãe

Brechique da Dodoca disse...

Esse é o processo, essa é a agonia. Passei por isso com meu pai, por quase dois anos! Entendo bem, querida Lucia.
Tenha paciência com você e... resignação, nada mais posso dizer-lhe, lamentavelmente.
É a roda da vida.
Bjssssssssssss, Deus as abençoa!

angela disse...

amiga, minhas vibrações e carinho para você, beijos

Clara Lucia disse...

Sua mãe é abençoada, com filhos maravilhosos que a amam e sofrem com seu sofrimento. Será que ela sofre estando assim?
Talvez Deus tenha concedido a ela esse tempo em repouso, pra perceber a sua volta o quanto ela acertou em tudo com todos. Pra qdo chegar sua hora não haja arrependimentos e culpas.
Só Deus sabe, Lúcia, aqui a gente só lamenta e não entende, mas tenta aceitar. O sofrimento é inevitável, pois somos repletos de emoções.
Deus está com ela, com vocês, com certeza.
Amém!

Sílvia Bertelli disse...

São tantas coisas que se passam na nossa cabeça e coração, né?! Saudades dela brava, preocupada, contando casos... saudade de taaantas coisas !Hoje,saudade do meu pai (2 anos e 5 meses sem ele) dias que passam rápido e ao mesmo tempo são dias tão lentos. Os meus "porquês" tantas vezes viram "pra quês"... assim que fica mais fácil tentar entender (eu acho )! Não tem jeito, um dia de cada vez, é assim que vamos seguindo... AMA ! Saudades...

MARILENE disse...

Lúcia, não entendemos os desígnios divinos. Por vezes, até nos inconformamos. Perdi minha mãe ano passado, após dias de muito agonia, vendo-a inerte no CTI. Meu pai ficou anos sobre uma cama. Como você, adquirimos uma hospitalar, colchão de água... tudo que pudesse lhe dar conforto, sem saber se nos entendia.
Por outro lado, temos que agradecer a Deus por ter convivido com essas pessoas maravilhosas, que nos deram a vida e muitas alegrias. Que Ele esteja sempre ajudando vocês. As fotos de sua mãe mostram uma mulher bela e de olhos sensíveis. Bjs.

Ana disse...

Tem coisas difíceis demais.
De se entender, de enfrentar, de aceitar...
O teu amor ela sente, Lúcia. Com toda a certeza.

Ariadne pa disse...

Sabes que entendo sua dor e continuo a rezar pela saúde da Dona Celma.....
Deus sabe das coisas e nós temos que entender....
Quando perdi meu pai, muitos falaram a seguinte frase: Deus só lhe dá aquilo que você pode carregar ....
Torço para um final mais feliz ❤️🍀

Diacuy Piccione disse...

Não nos cabe entender em alguns momentos da vida só nos resta a resignação. Sou solidária a vc e a sua dor. Sinta o meu abraço.

Beth/Lilás disse...

Lúcia, tua mãe é uma guerreira genuinamente!
Sua dor agora, pode ser dividida com outras irmãs e irmãos, ameniza, mas não some. Por outro lado, sabê-la em casa é um alívio, pois tantos se vão em quartos frios de hospitais e longe da família.
Só lhes desejo no momento muita força e união para que ela sinta esta energia no ar à sua volta.
um beijo carioca


Celia Rodrigues disse...

Lindo texto, Lúcia! A dor e o lamento só refletem o amor que vocês setem por ela. Triste seria se não fosse assim. Força pra toda a família!

Uouo Uo disse...


thx

كشف تسربات المياة
غسيل خزانات
شركة نظافة عامة

Uouo Uo disse...

thank you

سعودي اوتو

Mamãe disse...

Saudades de minha vozinha... saudades de minha mãezinha... como queria estar mais perto e mais presente... Ama!

Carlos Medeiros disse...

Parabéns. Aproveito pra lhe informar sobre a promoção 12 anos do Idade da Pedra, da Nanda Rocha, com sorteio. Vale a pena participar. Abraços.

Link a seguir:

http://goo.gl/5msrCz

Heloísa disse...

Lúcia,
Li esse seu texto completamente sufocada.
Vivi sua tristeza por completo, porque num passado recente passei por isso.
Muita força.
Beijos.

Maria Izabel Viégas disse...

Minha amiga.
Leio chorando. Hoje estou sensível demais.
Talvez porque não me sinto bem.
Talvez porque saiba que esse é o futuro de todos nós.
Seguir a viagem.
Já passei esse sofre pequenina, impotente, com meu pai.
Só pude dar amor amor e amor.
Eu, 14 anis.
Já com mamãe ocorreu assim como a sua mãezinha.
E Lúcia, feliz do idoso que pode ficar assim bem cuidada.
Tantos abandonos.
E depois que tudo passou, eu tive a generosa sensação de paz ao saber que com a mãe eu pude dar - lhe conforto material e amoroso.
Sei que ela ficou bem. Que sua viagem foi para a luz.
Minha prece e carinho para essa maravilhosa mulher e para vcs, suas filhas.
Que Deus as abençoe!
Beijos querida

Tina Bau Couto disse...

Emocionei e amei

Maria Gloria D'Amico disse...

Lucinha, eu não tenho palavras para te falar, especialmente quando fico emocionada, mas tenho um colo para te dar e ouvidos amorosos para te ouvir.
Todo o meu amor é seu, com um grandioso abraço.