Terapia

 E eis que já fiz 5 sessões da terapia breve (16 sessões) para me livrar do medo de avião.
Que não sei bem se é medo de avião ou medo de perder o controle de mim mesma.
Segundo a psicóloga, muitas vezes se começa uma terapia focada em um problema e logo outros aparecem e  o foco inicial tem que ser mudado.
O medo, como precaução, como cuidado, não é nocivo.
Nociva é a fobia, o medo mórbido, aquele que nos tira de centro, sabemos todos.
Não me agrada entrar em um avião e lá ficar por horas. Hoje consigo fazer viagens pequenas, de 1 hora. Mas pensar em uma viagem longa, 9, 10 horas ou mais dentro daquele pássaro metálico, me causa tremores e temores.
Que, muito certamamente, encobrem outros medos, outras impossibilidades.
Na ida para BSB, eu, Fa, Ricardo e meninos, tudo ia bem até que o bichão levantou voo e Fabrício (3 anos) se retesou na poltrona e passou o voo todo antenado, olhava pra janela, apertava minha mão e a da mãe, trocou de lado, antes estava com o pai e um irmão, mas assim que percebeu que não gostou da sensação, veio estar com a mãe. Não digo que tenha sido medo, acho que apenas não gostou da sensação, não sei. Um dia, falando com ele que íamos viajar de novo de avião, ele nada disse, não se negou. Vamos ver quando viajar mesmo, como será a segunda experiência.
Cada medo encobre vários medos, somos como uma cebola, temos várias capas, que saem à medida que solicitadas.
O mais interessante que percebo, nessa altura da vida, é que ninguém é perfeitamente resolvido. (Quero acreditar nisso, a ideia me agrada).
Todos temos vários medos, mesmo que encobertos, mesmo que nunca confessados. Todos temos defeitos, todos podemos ser uns amores ou uns malas. Depende do dia, da hora, da situação.
Assusta-me um pouco se dizer que fulano(a) nunca fêz isso, nunca foi assim ou assado.
Outro dia encontrei-me com uma prima de 2º grau, cuja mãe tinha morrido em outubro e eu só soube bem depois. Conversei com ela, lamentei, embora a mãe já fosse bem idosa (96 anos) e ela disse que foi uma morte linda (?) , tranquila, com tempo para a mãe ver todos à volta da cama, olhar um por um e fechar os olhos lentamente, como se dormisse. Continuamos a falar da mãe, que conheci bem e admirava, e a prima me contando o quanto ela era calma. "Nunca vi minha mãe brava com ninguém, nunca a vi levantar a voz para ninguém". E fiquei pensando o quanto isso, talvez, tenha lhe custado. Quanto de nós mesmos sufocamos para não ofender o outro, para não destratar alguém, e quanto as pessoas à volta repetem o mesmo conosco.
Um outro lado da terapia breve, é que ela lida com o hoje e o daqui pra frente. Ela não focaliza o passado.
Embora ele seja importante, ele não é o principal. Porque, acho eu, sendo o tempo curto (da terapia), vamos ver como podemos seguir a vida, voltar não vai resolver.
Nada a ver com regressão, são terapias diferentes.
Não vejo como meu passado pode ficar de lado, como não me influencia no presente, mas também vejo que é assim mesmo, se há algo que me incomoda, não posso fazer dele um fantasma, tenho mais é que lhe dar adeus e seguir o caminho, com novo rumo.
 E ainda não cheguei a conclusão nenhuma, nem a terapeuta, da razão do meu medo. Não há nada que o mova, que o tenha provocado.Nenhum acidente ou incidente com aviões, nem comigo nem com ninguém que eu conheça.
Enfim, assim caminho eu, aos tantos "entas" ainda tentando me descobrir.

25 comentários:

✿ chica disse...

Há alguns medos inexplicáveis mesmo.Incrível.Eu morro de medo de aranhas entre outras coisas. beijos,tudo de bom e legal é que vias atrás, procuras melhorar!!! beijos,chica

Deusa disse...

Lúcia,a gente só sabe como realmente somos,a nossa pessoa assim no Preto e Branco,quando passamos por uma situação devastadora,eu não gosto de pre-julgar nunca ninguém,porque eu aprendi a duras penas que não existe esta palavra NUNCA.Na hora do aperto de verdade todas as suas convicções...TODAS caem por terra,ali e você com você mesma....
Acho que o medo e uma forma de defesa do ser humano e natural,eu ando de avião a anosssss,já trabalhei em Cia,Aérea e meu marido e Piloto,imagine...só agora com Maitê fui ter medo de viajar...imagine uma coisa destas,antes eramos só nos dois,ou só eu,agora tem Maitê,e nela que eu penso,e ela não tem medo algum,deita no chão,anda pelo avião,nem liga.
Acho que não adianta fazer uma terapia se não comerçarmos lá do inicio,eu nunca fiz,mas acho que a maioria dos nossos medos estão na infância.
Eu sempre tive horror de mato,mato fechado pra mim era profundamente terrivel,até que um dia~,a uns três anos meu irmão me disse do nada...
-Você se lembra quando você se perdeu na fazenda e ficou sozinha lá por umas três horas?
Quase cai pra trás,me lembrei que tinha uns cinco,seis anos quando fui com ele atravessar de uma fazenda para outra,tudo pertinho,mas ele correu e eu fiquei pra trás.
Sai sem rumo,chamando minha mãe,dai encontrei um Espirito de Luz,que nem sei se existia mesmo,ou era de Deus,bem na beira de um buraco ,uma erosão profunda,capinando,um senhor de idade,todo sujo,quando ele me viu eu comecei a chorar...
Ja imaginou o que poderia ter acontecido Lúcia,minha mãe até chorou quando ouviu isso...
Pois ele me pegou pela mão,me mostrou por onde eu devia ir e sumiu...deve ter voltado pro trabalho,ou foi Deus que colocou ele ali.
Passei a infancia,adolescencia e fase adulta quase toda com medo de mato....olha que coisa.
Bjs querida.
Deusa

Calu disse...

Lucia,
e assim também seguimos todos nós, procurando no autoconhecimento o melhor que pudermos ser. Buscando esclarecer, entender, nossas interrogações, sabendo que outras deverão surgir exigindo explicações futuras.O medo( este receio protetor)está em nosso DNA, pois através dos cuidados e proteção é que caminhou a humanidade e nós com ela.
Tenha a face que tiver o medo, é preciso reconhecê-lo para que possamos lidar com ele.
Cada um tem o seu, escondido ou declarado.Faz parte.
Mil bjos,
Calu

Lu Souza Brito disse...

Oi Lucia,

Acho que para se descobrir não há idade. Eu me vejo atualmente com algumas questões e me pergunto: Será possivel que com quase 30 anos nas costas eu ainda tenha isso para resolver'? rsrsrs

E esse negocio de fulano nunca fez isso ou aquilo, não boto fé, ainda mais quando se trata de comportamentos, modo de vida. Mudamos o tempo todo, imagina, que numa vida inteira nunca soltou um 'vai a puta que pariu' por exemplo. Mesmo que seja para o seu cachorro. Sabe aquela poesia da Clarice eu acho, que diz:
Sou como você me vê. Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania, Depende de quando e como você me vê passar."???

Então.
Ah, o medo de avião...então, não sei, mas pode ser de algo que nem imagine.
Quando eu fiz um curso de introdução a Programação neuro linguistica, a professora explicava que as alergias no pescoço / orelha, assim como as 'fobias' de blusas de gola roulet ou cachecois, por exemplo, tinham a ver com dificuldade nomomento do parto - com um sofrimento gerado ali.
Eu nao sei se acredito (Ok, nao acredito), mas as explicações para as coisas de nivel emocional / psicologico nem sempre sao muito claras, ne?
Eu tenho medo de lugar fechado, mas nao de avião...daqueles passeios embaixo da terra, entre rochas, por exemplo. Só de pensar ja me falta o ar, desmaio.

Um beijo e prossiga com sua terapia - eu continuo aqui com minha terapia em grupo (blog), ahahah.

Roseli Pedroso disse...

Lúcia ler seu texto me remeteu a junho/julho de 2006. Fiz minha primeira viagem pra fora do país e minha primeira viagem de avião. Sempre tive horror de altura então já dá pra perceber como fiquei. Na semana anterior a viagem não dormia, nãoparava de pensar na viagem. Na hora do embarque meu coração estava na boca. Mas quando o avião decolou, não sei por que baixou uma paz tão grande em mim que as 11 horas de viagem nem pesaram. Fui, curti, voltei e depois viajei novamente. Dessa vez sem o medo. Quanto a terapia, eu mesma ando pensando em começar a fazer. Sempre temos o que melhorar.
Bjs

ELIANA-Coisas Boas da Vida disse...

Lúcia vou ser sucinta morro de medo de entrar num avião por isso mesmo nunca entrei!!!rsrs
vou somente onde meu carro me leva...
Admiro vc que apesar do medo enfrentou é assim que tem que ser,eu mesma quando levo minha filha ao aeroporto para viajar e vejo aqueles bitelos lá no chão volto pra casa correndo rsrs
Nem pra terapia eu vou porque sei que não vai dar certo!!
boa semana
beijo

Teresinha Ferreira disse...

Olá Lúcia,
Obrigada pelos parabéns.
Sabe, eu tenho fobia de altura. Já passei por apertos de chegar na varanda, no oitavo andar, e ficar parada com medo de cair. Tinha que voltar para o quarto de costas. Não é fácil. Não tenho problemas com o avião. Só que quando viajo tenho que segurar com muita força na poltrona, pois acho que vou cair, não o avião, eu. Choro no meu cantinho e nem tenho vergonha de alguém ficar me olhando, pois é algo que não consigo controlar (adoraria poder, mas...). Perco diversas oportunidades de viajar com meu marido, mas o medo, às vezes, não deixa.
Só sei que dia 29 de junho vou ficar oito horas dentro de um e peço a Deus para que eu fique bem.
Já fiz terapia e até hipnose, mas não adiantou.
Espero que fique bem e que possamos superar nossas fobias, né?
Bons fluidos.

Brechique da Dodoca disse...

De medo não sei se entendo, mas de tê-los, ah e como! Mas não cheguei a procurar terapia, talvez devesse. É algo em que acredito.
Espero que vc se dê super bem com a sua. Quero saber dos resultados!
Bjssssssssssssssssss, quérida!

Eli Pechim disse...

Lúcia, terapia é algo que eu acho que todo mundo deveria fazer, porque faz uma diferença enorme na nossa vida. Conheço gente que achava que não tinha problema nenhum e por uma razão ou outra foi fazer terapia e viu como a vida melhorou para melhor, principalmente a relação consigo mesmo e com os outros. Eu tenho medo de altura, odeio viajar de avião, não fico tranquila, não durmo, não como, não vou nem ao banheiro. Qualquer balançadinha e eu já começo a tremer. Mesmo assim eu viajo pra todo canto no mundo e se não fosse assim nunca mais ia ver minha mãe, porque ela nunca vai vir aqui e aí eu preciso ir no Brasil vê-la. Mas dizer que eu viajo de avião numa boa seria mentira. Acho legal que você tenha procurado ajuda para vencer seu medo. Ter medo, seja do que for, não é legal. A não ser quando é aquele medo que não nos apavora, que nos faz mover adiante, mas com cuidado. Boa sorte na sua terapia e espero que consiga encontrar as respostas que está procurando. E que, ah, perca o medo de fazer voos longos e venha aqui nos States nos visitar. :)

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida
O seu post tem mensagens muito reflexivas... se fosse nomeá-las daria um longo comentário...
Fazendo a minha Pós, aprendi muito sobre fobias, medos e tudo pelo estilo...
Foi muito bom aprender sobre a minha maior sombra também...
E fiz um Cruzeiro sem nenhum medo... avião eu adoro... ver as nuvens de pertinho é uma delícia!!!
Não tenho mais medo de um mundo de coisas que tinha... nem de gente má... rsrsrs...
Bjm de paz

Beth/Lilás disse...

Lúcia queridona,
Você sabe que eu sou que nem você, né, mas somos também corajosas e vencemos nossos medos. Acho que isso e bem mais importante que tudo, afinal, mal ou bem, enfiamos a cara e vamos em frente, suplantando o bendito medo.
Desculpemos erros e falta de acentos, mas estou estreando meu novo brinquedinho que ganhei agora, um tablet, e estou apanhando um bocado com a Apple.
Um beijo grande, carioca

Laura disse...

Oi Lucia, fiquei feliz ao ler seu post! Fico feliz em ver que procura melhorar, buscar mudanças!

Acho que nossos medos são resultado da nossa construçao enquanto ser humano. As vezes não foi nada que aconteceu, mas apenas o conjunto de varias angustias, de pequenas sensaçoes, que resultaram no seu panico em voar.

Espero que descubra logo e principalmente que logo possa ter graaaaaaaaaaaaandes viagens!!
Bjss

pensandoemfamilia disse...

Olá Lucia
Está sua frase "ninguém é perfeitamente resolvido" é perfeita, pois não somos seres "acabados", estamos sempre em um processo de vir a ser e numa abertura para possibilidades.
Em relação a terapia ser breve, não sei qual a linha, mas não há como se abandonar totalmente o passado, pois somos um somatório de nossas experiências, podemos partir do aqui e agora para tratar de questões mas o ser é um todo(passado, presente, futuro) e é ele que com seus recursos internos vai caminhar na sua "cura" com tudo que ele já construiu internamente.
Em relação, a seu netinho, as pessoas próximas influenciam muita as aões e reações, portanto a forma com que vcs o acolherem neste primeiro sentimento é vital.
bjs

VIVIAN!!! disse...

Oi Lúcia!!!
Eu nunca andei de avião!!!
Um dia gostaria sim, de ter esta experiencia !!!!
Já o meu marido, andou 6 vezes e por 9 horas dentro do passáro metálico, ele disse que dá um certo medo sim, mas que se fosse preciso andaria novamente. Sei não se eu teria coragem!!! bjs querida

Élys disse...

Eu gosto muito de andar de avião, mas é compressivo, pois isto acontece com muitas pessoas.
um abraço.

Valéria disse...

Oi Lúcia!
Vendo o seu caso lembrei da sobrinha de meu marido que mora aí, em Montes Claros, que tem um medo absurdo de avião, uma fobia que a faz viajar 2 dias de ônibus para vir para natal visitar o pai. Sempre digo a ela que deve fazer uma terapia breve, problemas que carecem de uma solução mais imediata, a melhor opção é essa técnica, já pensou revolver todo o passado, trabalhar resistências para chegar ao âmago da questão, bote tempo.rss Ela passou a fazer uma terapia normal e cadê resultado, é muito lento e geralmente queremos soluções para ontem. Você está indo no caminho certo, boa sorte.
Beijinhos!

Luma Rosa disse...

Muitas pessoas têm medo de avião e dizem, não é um medo legítimo, pois não é do avião que se tem medo. Em geral são pessoas ansiosas. Uma amiga tinha esse medo e "curou" com hipnose e foi indicado à ela ler mais sobre aviões.
Boa semana!! Beijus,

Heloísa disse...

Lúcia,
Penso que, como você já conseguiu realizar viagens curtas, de avião, logo conseguirá vencer esse medo.
Poderá sobrar uma certa aflição, na hora do início da viagem, mas logo você verá que a viagem é tranquila.
Tem riscos, como tudo na vida, mas é um risco menor do que uma viagem de carro, ou ônibus, numa via movimentada.
E, na hora que vencer esse medo, poderá fazer viagens maravilhosas.
Beijo.

Georgia disse...

Lucia, quando vc andar de aviao vai se apaixonar, porque é uma delíiiiiiiiiiiiicia!!!

Perde logo este medo e vem aqui me visitar, rs.

Bjos

Clara disse...

Bom dia, Lúcia...

Bem, eu tenho pavor de altura, e numa fase de minha vida, qdo jovem, tinha medo de tudo. Mas acho que era insegurança, pois nunca fui cuidada como deveria, ou seja, não tive chão suficiente pra enfrentar as coisas. Mas aprendi tudo na base da porrada, dos erros, das dores, dos sofrimentos... mas o pavor de altura continua...

Beijos e ótima semana pra vc!

Cucla disse...

Amada querida, eu particularmente uso a terapia para tentar me ouvir, me entender. O passado já foi, mas sempre nos dá um friozinho na barriga ter algumas recordações.
Importe-se com o seu medo, cuide dele, só não permita que ele domine sua vida.
Na minha opinião, todo mundo precisa fazer terapia, ajuda a que nos entendamos de uma maneira com menos culpa e mais aceitação.
A terapia faz isso comigo, me aceito, não me transformo em outra.
bjinho

vitalina de assis disse...

Hola amiga!

Algumas coisas parecem que não foram feitas ou surgiram, para serem compreendidas. Entretanto, seguimos a vida tentando compreender, isto, aquilo e algumas coisas saltam à nossa compreensão no momento certo.

Bjs.

ML disse...

Lucia: de acordo com as estatisticas, o meio de transporte mais inseguro (= quem sai nao chega)é a ... bi-ci-cle-ta.
Verdade (incluindo as de competicao, claro).
Re-la-xa! ; > )

bjnhsssssssssssssss

Ana disse...

Há muito tempo, meu Avô Augusto, analisando esses medos que sentimos, me disse:
"Quem tem medo da morte, não vive."
Simples assim.
Desde então me concentro em viver, sem me deixar paralizar, por mais que uma situação me tire do eixo.
Tem dado certo. Rsssss...
Lembrar do meu avô querido me enche de coragem. (Te empresto ele, um pouquinho!)

Pandora disse...

Lucia eu preferia ter medo de avião do que ter medo de relacionamentos afetivos por exemplo! Eu sou covarde sempre fui...

Outro dia olhando meus diários encontrei uma página com aquele poema "Medo de amar" uma colega de classe que nem era próxima me deu dizendo ser a minha cara e as que eram próximas concordaram muito eu era adolescente, se passaram mais de 10 anos e eu continuo medrosa.

Sim, eu acredito que todos temos nossos medos e admiro profundamente quem decide enfrenta-los, parabéns, coragem e sorte!!!