Ahhhh, esta língua portuguesa!/Lembretes

Bom dia, pessoas.
Boa tarde, gente. 
Boa noite, amigos.
Acima, usei o vocativo. Que nada mais é do que um termo isolado dentro da oração, ou seja, não faz parte nem do sujeito nem do predicado. É usado para chamar pelo nome, apelido ou característica, o ser com quem se fala. E vem sempre separado por vírgula.
Bom dia, queridos.
Olá, Maria.
E aí, Valéria, tudo bem?
Amor, estou aqui.
A vida, queridos, deve ser vivida plenamente.
Não é fácil nos lembrarmos de todas as 78.905.648.302.759.380 regras da nossa língua. Mas aquelas que usamos todos os dias, ou que estão sempre em evidência, pelamor!, porque errar?
Erramos mais porque escrevemos rápido demais? Claro que não. Ou é desatenção ou desinteresse, penso eu.
Sou verdadeiramente implicada com isso e até já ganhei fama no Facebook. Mas não sou uma expertise na nossa língua, apenas uma pessoa atenta e interessada, que procura sempre aprender mais. 
Vou pelo instinto, se tenho dúvidas procuro no dicionário, ou  no Google, ou numa gramática.


 Ao longo do dia, no Facebook, são tantos erros que leio que até duvido se estou lendo mesmo.
Por que, até hoje, a dúvida sobre o mal e o bem, o mau e o bom? Basta mudar o nome, na frase que se quer escrever. Se se contrapõe a bem, é mal. Se se contrapõe a bom, é mau. 
E como a língua nos prega peças, há o bem-humorado e o mal-humorado. Mas o mau humor é característica de quem está de mal com a vida.
Confundir ss, ç, z, x, etc. até passa, às vezes trata-se mesmo de uma distração.
Mas a gente pode deixar no "piloto automático" certas regras, porque pega mal errar todo dia, mesmo quem lê muito.
Imagine que você pegue um livro sem revisão, totalmente cheio de erros. Qual será sua sensação?
Por isso lembro tanto a necessidade de uma boa escrita. Se não nos comunicamos bem na nossa própria língua, como será que nos comportamos o tempo todo? No mínimo em alguns momentos podemos nos sentir desconfortáveis com a situação. Podemos "fugir" das pessoas, de conversas, de situações que nos coloquem em posição inferior. Não saber nos comunicar na própria língua pode servir de motivo de insatisfação a vida toda, pois perdemos a chance de um bom emprego, de uma viagem, até de uma conquista amorosa, pra só dizer algumas situações corriqueiras.E, muitas vezes, podemos ser alvos de gozações, de brincadeiras de mau gosto, só para que falemos errado e sejamos criticados. Não se iludam, não passa de liso um erro recorrente.
Regras são regras, são obrigatórias, precisamos aprender, queiramos ou não.
Os erros com a crase são bem comuns, não há maneira de aprender a não ser memorizando algumas regras básicas, se não nunca se aprende.
Não se coloca crase em frente a palavra masculina.
A crase é a junção do artigo "a", com a preposição "a" e "a" é feminino, então nada de crase em frente a palavra masculina.
A não ser  em caso específico, significando "à moda de": Está vestido à João VI.
Não se usa crase antes de verbos no infinitivo (o nome do verbo) e de pronomes pessoais.
Faça assim: na dúvida (se não há como consultar um dicionário ou uma gramática, ou o Google...), não use a crase. É melhor sem ela, mesmo que necessária, do que com ela, onde o erro "grita".
Não tem jeito, é estudar mesmo e memorizar.
Não desmerece ninguém ser analfabeto (é triste, mas nunca vergonhoso) ou semialfabetizado. Uma pessoa que vive a vida inteira nessa condição, ou não ligou mesmo, ou priorizou outras coisas, como a criação de uma família, ou as necessidades dos pais, enfim, não aprendeu e seguiu a vida. Mas nunca pensar que foi confortável para a pessoa. Ela apenas aprendeu a tocar a vida.
E o "há", do verbo "haver", que indica tempo passado? Tem que ser com o agá, não tem jeito.
Cansada de ler "a anos", quando deve ser "há anos". Tudo que se refere a tempo passado, tem o agá.
Uma dica: troque o "a/há" por "faz". Se cabe o "faz", é com agá. "Faz 30 anos" = Há 30 anos.
E se usamos o "há", não vamos usar  o "atrás".
Há 30 anos atrás? Não. Há 30 anos.
Ou: 30 anos atrás eu me casei.
Confuso, chato, regra demais e blá blá blá? Sim. Muito. Mas são regras. Aqui, não podem ser quebradas.
Sem pretensão de querer ensinar, mesmo pq não tenho estudo para isso, mas com o desejo de poder ajudar e me ajudar, sempre voltando para ler, deixo a tag "Língua Portuguesa", e se você se interessar em ler, basta clicar nela.
Ler com atenção apura os sentidos para uma boa escrita.
Quem escreve bem, é um bom leitor. A lei do vice-versa. Que se grafa assim, não existe "vice e versa".
Acho que errar, todo mundo erra. Ser escravo, a ponto de "ter medo" sequer de conversar ou escrever, é bobagem. Vamos nos policiar, sem neura, e escrever corretamente, como deve ser. Acho que a gente mesmo se agradece!

7 comentários:

✿ chica disse...

Nossa língua é cheia de regrinhas e artimanhas. Não é fácil, mas temos o dever de tentar escrever corretamente! Legal te ler e aprender! bjs,chica

Mamãe disse...

Mãe, bem ou mal é a regra que vc me ensinou que uso até hoje pq, na correria, tem que pensar pra escrever também! rs Crase eu acerto quase sempre mas, de tanto ler errado, tem horas que me confundo mesmo. Faço como sugeriu, prefiro deixar sem do que errar dramaticamente! rs Beijos. Fá

Kellen Bittencourt ( Trilhamarupiara) disse...

Oiii Lucia, eu sempre aprendo com vc no Face, acho bem legal você defender nosso bom português, ainda bem que temos você para dar um puxão de orelha rsrs bjossss

Misturação - Ana Karla disse...

Lúcia, peco muito na crase, mas como citou, prefiro deixar sem do que errar feio.
Aprender e relembrar com você é sempre muito bom, ainda mais na minha condição profissional que não posso errar nunca.
Errei alguma coisa?
rs
Xeros mil.

Blog da Pandinha disse...

Amiga, sou uma chata com a LP, mas cometo varios erros por conta da rapidez que escrevo (a falta de acentos eh culpa do computador novo que nao sei mexer ta?). Eu adoro aprender palavras novas, regras novas e nunca, jamais seremos capazes de saber de tudo, pq a nossa gramatica eh de uma complexidade extrema. Seguimos tentando. Beijos

Marly disse...

Oi, Lúcia,

O que achei mais triste na constatação - através da Internet - da ignorância das pessoas (sobre a própria língua e outros assuntos) é que isso não deixa dúvidas quanto a má qualidade do ensino no Brasil. Sim, porque muitos dos ignorantes têm graduação superior; como isso pode ser possível?

Um beijo e ótima tarde e noite, neste dia da mulher!

ML disse...

Acho super generosas as suas dicas,Lucia, agradeço quando aprendo, e acabei de aprender "Está vestido à João VI". VALEU, Querida!

bjnhsssssssssssssss